Brasil

Forças Armadas estudam envio de militares brasileiros em missões de paz da ONU

Após o fim da participação brasileira na Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah), que terá término no próximo dia 15, o Estado-Maior das Forças Armadas e o Ministério das Relações Exteriores anunciaram que estão estudando a possibilidade de enviarem militares do país para auxiliar a ONU em outras missões de paz.[Leia mais...]

[Forças Armadas estudam envio de militares brasileiros em missões de paz da ONU ]
Foto : Agência Brasil

Por Paloma Morais no dia 23 de Setembro de 2017 ⋅ 16:04

Após o fim da participação brasileira na Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah), que terá término no próximo dia 15, o Estado-Maior das Forças Armadas e o Ministério das Relações Exteriores anunciaram que estão estudando a possibilidade de enviarem militares do país para auxiliar a ONU em outras missões de paz.

Militares e diplomatas têm avaliado nos últimos meses dez operações da ONU para decidirem onde os brasileiros poderiam contribuir melhor. Entre os aspectos analisados estão o grau de hostilidade, o nível das operações, influência ambiental, projeção do país no exterior, custos do apoio logístico, infraestrutura local, e também a interação nacional com os países que já atuam nestas missões e fatores geopolíticos.

Segundo o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, almirante Ademir Sobrinho, dessa análise surgiram duas listas que indicam o envio do efetivo brasileiro para a República Centro-Africana. Agora, cabe ao presidente Michel Temer e o Congresso Nacional tomarem a decisão final.

“Estamos prontos para fazer uma apresentação [dos estudos] para o presidente. Se ele nos der sinal verde para continuarmos analisando o assunto, iremos conversar com o Congresso Nacional, a quem compete autorizar o envio de tropas e aprovar a destinação dos recursos financeiros necessários. Como de costume, a ONU só formalizará qualquer convite após estar tudo encaminhado e aprovado”, explicou o almirante. De acordo com Ademir, o governo tem até o fim de outubro para decidir à ONU. \"A organização só formaliza seus pedidos após os países responderem informalmente se têm ou não condições de atendê-la\", acrescentou. 

Notícias relacionadas

[STJ manda soltar ex-governador Luiz Fernando Pezão]
Brasil

STJ manda soltar ex-governador Luiz Fernando Pezão

Por Kamille Martinho no dia 10 de Dezembro de 2019 ⋅ 18:20 em Brasil

Pezão foi preso em novembro do ano passado. Ele é réu na Operação Lava Jato no Rio de Janeiro, acusado de integrar esquema de corrupção