Brasil

STF reconhece habilitação dos Procons na cobrança de multas

Os departamentos de proteção e defesa do consumidor (Procons) estaduais e municipais podem aplicar multas e fazer a análise de contratos assinados entre empresas e consumidores. A mudança aconteceu após decisão unânime da Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), nessa sexta-feira (28). [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação

Por Bárbara Silveira no dia 28 de Agosto de 2015 ⋅ 15:40

Os departamentos de proteção e defesa do consumidor (Procons) estaduais e municipais podem aplicar multas e fazer a análise de contratos assinados entre empresas e consumidores. A mudança aconteceu após decisão unânime da Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), nessa sexta-feira (28).

De acordo com informações da Agência Brasil, a aplicação de multas pelos Procons foi analisada pelo STF após um caso envolvendo a empresa Net Belo Horizonte Ltda, que teve multa de R$ 207 mil aplicada pelo Procon. Na ocasião, o STJ reconheceu a competência dos órgãos de defesa do consumidor de interpretar contratos e aplicar sanções, caso verifiquem a existência de cláusulas abusivas.

“Com efeito, o Código de Defesa do Consumidor é zeloso quanto à preservação do equilíbrio contratual, da equidade contratual e, enfim, da justiça contratual, os quais não coexistem ante a existência de cláusulas abusivas”, argumentou o ministro Humberto Martins.

 

Notícias relacionadas

[Michelle Bolsonaro pede outro lugar para trabalhar]
Brasil

Michelle Bolsonaro pede outro lugar para trabalhar

Por Luciana Freire no dia 18 de Fevereiro de 2020 ⋅ 17:20 em Brasil

Após repercussão com desmonte de biblioteca, um novo local está sendo providenciado para abrigar a primeira-dama e sua equipe

[Fila do Bolsa Família já tem 3,5 milhões de pessoas]
Brasil

Fila do Bolsa Família já tem 3,5 milhões de pessoas

Por Kamille Martinho no dia 18 de Fevereiro de 2020 ⋅ 16:40 em Brasil

No final de janeiro, o Ministério da Cidadania informou que a lista de pedidos para entrar no programa seria três vezes menor: 494 mil famílias