Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Brasil

Queima de arquivo? Funcionário ouvido no caso Marielle é assassinado no Rio

O crime aconteceu por volta das 20h45m. De acordo com relatos de testemunhas aos PMs do 18º BPM, pouco antes de atirar contra a vítima, também conhecida como Alexandre Cabeça, um dos assassinos gritou: "Chega para lá que a gente tem que calar a boca dele". Depois, segundo o Estadão, abriu fogo. [Leia mais...]

[Queima de arquivo? Funcionário ouvido no caso Marielle é assassinado no Rio]
Foto : Facebook / Reprodução

Por Alexandre Galvão no dia 09 de Abril de 2018 ⋅ 11:10

Funcionário do vereador Marcello Siciliano (PHS), da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, Carlos Alexandre Pereira Maria, de 37 anos, foi morto a tiros, na noite de ontem (8). Ele e o legislador foram ouvidos no inquérito que apura as mortes da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. Uma das linhas de investigação é sobre o envolvimento de Alexandre com uma milícia.

O crime aconteceu por volta das 20h45. De acordo com relatos de testemunhas aos PMs do 18º BPM, pouco antes de atirar contra a vítima, também conhecida como Alexandre Cabeça, um dos assassinos gritou: "Chega para lá que a gente tem que calar a boca dele". Depois, segundo o Estadão, abriu fogo.

Marcello Siciliano foi ouvido pelos investigadores da DH sobre o morte de Marielle e de Anderson na última sexta-feira. O vereador – citado em relatório da Polícia Civil sobre a influência da milícia em Jacarepaguá, nas eleições de 2014 – chegou à delegacia por volta das 4h da tarde e saiu três horas depois. Ele não quis dar detalhes de seu depoimento e afirmou que as investigações estão sob sigilo.

Notícias relacionadas