Sábado, 27 de novembro de 2021

Brasil

Inquérito contra brigadistas presos possui grampos sem evidência de crime

Polícia Civil usou frases fora de contexto para interpretar o inquérito

Inquérito contra brigadistas presos possui grampos sem evidência de crime

Foto: Reprodução/Instagram

Por: Metro1 no dia 27 de novembro de 2019 às 14:20

A Polícia Civil usou frases fora de contexto para interpretar o inquérito que investiga a Brigada de Alter do Chão, projeto do Instituto Aquífero Alter do Chão. As informações são do blog da jornalista Ana Carolina Amaral, da Folha.

A íntegra dos diálogos, entretanto, revelam apenas dúvidas dos integrantes do projeto sobre as contrapartidas ao patrocínia da WWF. O tema das discussões seria quanto tempo a WWF poderá se vincular a imagens de divulgação da Brigada, já que a doação de equipamentos será usada nos próximos anos.

Com dúvidas básicas que mostram inexperiência e preocupação com a correção, um dos brigadistas chega a perguntar se precisaria devolver o equipamento após o contrato, ao que o representante da WWF responde “não, é de vocês”.

Em uma conversa, o doador esclarece que a contrapartida à doação é a divulgação das imagens. Neste contexto ele diz “o que a gente quer é a imagem de vocês”. A dinâmica é comum em contratos de patrocínio, que geralmente envolvem contrapartidas como a divulgação da organização financiadora. Para a polícia, no entanto, o trecho dessa conversa é marcado como suspeito.

Inquérito contra brigadistas presos possui grampos sem evidência de crime - Metro 1