Brasil

Fuzilamento de músico e catador completa um ano e ação do Exército ainda é investigada

Vítimas foram fuziladas por militares, em Guadalupe, na Zona Norte do Rio de Janeiro

[Fuzilamento de músico e catador completa um ano e ação do Exército ainda é investigada]
Foto : Reprodução/ Facebook

Por Juliana Almirante no dia 07 de Abril de 2020 ⋅ 11:20

 

Um ano depois das mortes do músico Evaldo Rosa e do catador Luciano Macedo, a operação do Exército que resultou nos homicídios continua sendo apurada, de acordo com reportagem da Agência O Globo. 

As vítimas foram fuziladas por militares, em Guadalupe, na Zona Norte do Rio de Janeiro.  A ação começou ainda na manhã do dia 7 de abril do ano passado com uma incursão dos homens do Exército na Favela do Muquiço.

O Ministério Público Militar (MPM) levantou uma série de contradições e omissões nos dois depoimentos que foram prestados pelos militares sobre a ação. Um Inquérito Policial Militar (IPM) descobriu que os militares que faziam a patrulha omitiram ao próprio Exército, no primeiro depoimento que prestaram, que utilizavam um rádio transmissor apreendido com traficantes para monitorar as atividades dos criminosos na favela. 

O MPM vai citar as inconsistências nas alegações finais do processo que julga 12 militares pelas mortes de Evaldo e Luciano. A previsão da Justiça Militar é de que a sentença do caso saia ainda em 2020.

Notícias relacionadas