Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Cidade

Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari estende negociação com a Ford por mais 90 dias

Em vídeo divulgado nas redes sociais, o presidente do sindicato, Júlio Bonfim, ressaltou que a entidade seguirá cobrando o cumprimento do acordo de estabilidade

[Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari estende negociação com a Ford por mais 90 dias]
Foto : Divulgação / STIM

Por Juliana Rodrigues no dia 19 de Fevereiro de 2021 ⋅ 12:40

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari, Júlio Bonfim, comunicou, em vídeo divulgado hoje (19) nas redes sociais, o encerramento da vigília na porta da fábrica da Ford na cidade da Região Metropolitana de Salvador, após novas negociações com a diretoria da montadora. Entre os pleitos atendidos, está a extensão por mais 90 dias do período de negociação, que terminaria ontem (18). Bonfim ressalta, no entanto, que o sindicato seguirá cobrando o cumprimento do acordo de estabilidade da categoria.

"É uma trégua, não quer dizer que é um ponto final numa condição de negociação, de tempo de negociação. Pode precisar de alguns dias a mais, havendo consenso entre as partes, estende-se a mesa de negociação, para algum tipo de ajuste, mas o mais importante são as condições indenizatórias e reparatórias de todos os trabalhadores. Temos aí 36 meses de um termo de compromisso, queremos que a empresa reconheça e cumpra essas condições, como também tem uma liminar emitida pela Justiça do Trabalho da 4ª região de Camaçari, através de uma ação do Ministério Público que também tem garantias para os trabalhadores, como as condições referentes à estabilidade, que o sindicato também quer manter. É uma luta jurídica que vamos ter, mas estamos garantindo essas condições e vamos continuar lutando por essas condições para os trabalhadores", disse.

Ainda segundo Bonfim, a reunião definiu alguns pontos referentes ao retorno dos trabalhadores à fábrica para produção de peças. O sindicato solicitou que sejam convocados apenas funcionários que estão fora do grupo de risco para Covid-19, e que aqueles que forem chamados sejam testados para a doença. A previsão é que 400 contratados e 340 parceiros sejam mobilizados para a operação.

Notícias relacionadas