Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Cidade

‘A incidência das patologias mentais não aumentou por conta da pandemia’, explica neurocientista

Ricardo Chemas foi o entrevistado do Jornal da Cidade desta quinta-feira (11)

[‘A incidência das patologias mentais não aumentou por conta da pandemia’, explica neurocientista]
Foto : Reprodução

Por Gabriel Amorim no dia 11 de Março de 2021 ⋅ 19:00

Depois de um ano de pandemia, os relatos de questões ligadas à saúde mental cresceram. Os casos das chamadas patologias mentais, no entanto, não cresceram. Foi o que explicou o neurocientista Ricardo Chemas, entrevistado de hoje (11), no Jornal da Cidade. “A incidência das patologias mentais não aumentou por conta da pandemia, porque elas são de base genética. Apesar disso, existe uma pressão psicológica sobre todos por conta da  pandemia, que é inegável”, disse o professor.

Sobre a própria pandemia, Chemas apontou questões que geraram consequências negativas para o país. “Nós não somos o melhor exemplo do mundo para tipificar uma conduta de combate a pandemia. As primeiras iniciativas foram tímidas, não foram suficientemente agressivas, nem a população foi alertada a tempo do real perigo e gravidade que a pandemia. É uma situação extremamente grave, e nenhum alerta que se faça é suficiente para esse momento”, explicou.

Também médico, e adepto do uso de homeopatia e outras técnicas de saúde, o professor chamou atenção para a ausência de técnicas já comprovadas para tratamento do vírus, para além da vacina.  “Cada técnica serve para alguns casos, e não para todos. Não existe uma solução fácil para a Covid-19. Ninguém ainda sabe qual a estratégia definitiva para inativar esse vírus de forma a tornar isso uma arma química eficaz, que consiga debelar a doença uma vez o indivíduo esteja infectado. Esse é o grande desafio no momento”, acredita o cientista.
 

Notícias relacionadas