Sexta-feira, 18 de junho de 2021

Cidade

"Não há motivo para apreensão", diz obstetra sobre grávidas vacinadas com AstraZeneca

Em Salvador, 21 gestantes foram vacinadas com a primeira dose do imunizante

"Não há motivo para apreensão", diz obstetra sobre grávidas vacinadas com AstraZeneca

Foto: Divulgação

Por: Geovana Oliveira no dia 11 de maio de 2021 às 18:55

Apesar da nota técnica da Anvisa, que recomenda a suspensão do uso da vacina da Oxford/AstraZeneca em gestantes, o médico Paulo Gomes, coordenador de Obstetrícia do Hospital Santo Amaro, afirma que não há motivo para apreensão. Em Salvador, 21 gestantes foram vacinadas com a primeira dose do imunizante

"Para aquelas pacientes gestantes que já utilizaram a primeira dose e não apresentaram qualquer evento adverso, não há motivo para apreensão. Ela deve completar o esquema vacinal iniciado, realizando a segunda dose da vacina da AstraZeneca. Para aquelas outras grávidas que apresentaram reações adversas ou não receberam qualquer tipo de imunizante, devem ser vacinadas com a Coronavac ou Pfizer", afirma. 

O obstetra afirmou ainda que não existe qualquer dado científico que comprove o benefício ou potenciais riscos caso a gestante seja imunizada na primeira dose com um tipo de vacina e na segunda dose com outra. "Além do mais, o reinício de um novo esquema vacinal (Coronavac ou Pfizer) nas gestantes que receberam a primeira dose da vacina da AstraZeneca poderia proporcionar falta de imunizantes para outros grupos prioritários", pontua.

A vacina da AstraZeneca persiste no noticiário de saúde devido a um possível efeito colateral caracterizado por trombose e trombocitopenia. Segundo Gomes, no entanto, o efeito parece muito raro, correspondendo a seis casos em um milhão de vacinados conforme dados divulgados pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês).

"Não há motivo para apreensão", diz obstetra sobre grávidas vacinadas com AstraZeneca - Metro 1