Terça-feira, 21 de setembro de 2021

Cidade

Conselho de Enfermagem diz desconhecer casos de assédio após manifestação de servidores

Além de assédio, servidores alegam falta de diálogo para ajuste salário

Conselho de Enfermagem diz desconhecer casos de assédio após manifestação de servidores

Foto: Divulgação

Por: Gabriel Amorim no dia 27 de julho de 2021 às 11:00

O Conselho Regional de Enfermagem da Bahia (Coren-BA) disse desconhecer os casos de assédio relatados pelos servidores e que motivaram protestos na manhã desta terça-feira (27). Em nota enviada ao Metro1, o conselho afirmou que “ desconhece qualquer situação de assédio”. O texto ainda faz referência à acusação de agressão física a um estagiário. “O empregado e o estagiário que se desentenderam nas dependências do Conselho, por questões pessoais e alheias ao trabalho, foram exonerados”. 

Sobre o reajuste salarial, outra reivindicação dos servidores, o conselho afirma estar em diálogo com a categoria. “O Conselho Regional de Enfermagem da Bahia (Coren-BA) vem mantendo diálogo constante com o sindicato dos Servidores de Conselhos e Ordens Autárquicas das Profissões Liberais na Bahia (Sinsercon-Ba) e está avaliando a pauta salarial, levando sempre em consideração que o Coren-BA é uma autarquia e precisa respeitar os limites prudenciais da Lei de Responsabilidade Fiscal”, completa a nota.

Apesar da afirmação de diálogo, representantes da categoria negam que haja qualquer movimento de negociação. “Essa nova gestão tomou posse em janeiro com justamente o compromisso de valorizar o servidor. Mas não há qualquer abertura para diálogo. Estamos aqui desde as 6h e até agora não fomos procurados para conversar”, afirma Glauber Pinto, diretor do Sindicato dos Servidores de Conselhos e Ordens Autárquicas das Profissões Liberais na Bahia (Sinsercon-Ba). Segundo o representante, os servidores do Coren-BA não têm reajuste salarial desde 2019 por negativas da diretoria em negociar. A categoria fala em greve caso a negociação não seja iniciada.
 

Conselho de Enfermagem diz desconhecer casos de assédio após manifestação de servidores - Metro 1