Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Terça-feira, 21 de maio de 2024

Home

/

Notícias

/

Cidade

/

Banhistas denunciam esgoto despejado na praia de Ondina supostamente por condomínio da Moura Dubeux; construtora alega que estrutura não é do empreendimento

Cidade

Banhistas denunciam esgoto despejado na praia de Ondina supostamente por condomínio da Moura Dubeux; construtora alega que estrutura não é do empreendimento

Desde outubro do ano passado, o Jornal da Metropole denunciou a construção dos edifícios de luxo na Avenida Oceânica, que destoam dos demais por causa da altura

Banhistas denunciam esgoto despejado na praia de Ondina supostamente por condomínio da Moura Dubeux; construtora alega que estrutura não é do empreendimento

Foto: Reprodução/leitor Metro1

Por: Metro1 no dia 30 de março de 2024 às 10:32

Atualizado: no dia 30 de março de 2024 às 16:22

Banhistas e frequentadores da praia de Ondina, em Salvador, acusam um condomínio de luxo de despejar esgoto no local. De acordo com  denúncia enviada ao Metro1, a poluição do mar e o mau cheiro são causados pelas torres Undae Ocean e Beach Class Ondina, da  Moura Dubeux. Ambos os empreendimentos foram entregues no mês de novembro do ano passado, causando o sombreamento do local.

À reportagem, um banhista criticou, em anonimato, os empreendimento. “O mais louco é que estão oferecendo o serviço de Beach Class e tem um mês que começaram a jogar esse esgoto na praia”, disse.

Desde outubro do ano passado, o Jornal da Metropole denunciou a construção dos edifícios de luxo na Avenida Oceânica, em Ondina, que destoam totalmente dos demais por causa da altura. Os prédios possuem 17 e 21 andares, quando o máximo permitido na área são edificações de 36 metros, algo entre 11 e 12 andares. 

O que permitiu erguer prédios tão altos na Área de Borda Marítima (ABM) foi o artigo 111 da nova Louos (Lei.9.148/2016) e o art. 275 do PDDU (Lei Nº 9.069/2016). Estes dois tópicos das leis permitem superar em 50% o limite do gabarito de altura dos prédios na ABM, quando estes forem construídos em substituição a imóveis deteriorados.

Em nota, a construtora afirmou que a saída de água em questão não tem contribuição do empreendimento e que a preocupação com o impacto socioambiental é parte dos projetos da Moura Dubeux. “Todo sistema de esgoto do empreendimento está diretamente ligado à Avenida Oceânica, cumprindo todas as aprovações ambientais”, alegou a construtora.

Veja vídeo: