Terça-feira, 10 de maio de 2022

Cidade

Lojistas reclamam da falta de transparência na taxa de condomínio de shoppings

Não há dúvida que a crise atingiu em cheio consumidores e lojistas. Mas, em Salvador, além da redução das vendas, os empresários reclamam também dos altos encargos — principalmente a taxa de condomínio dos shoppings. E o valor salgado não atrapalha apenas os pequenos lojistas [Leia mais...]

Lojistas reclamam da falta de transparência na taxa de condomínio de shoppings

Foto: Tácio Moreira/Metropress

Por: Bárbara Silveira no dia 10 de fevereiro de 2017 às 11:55

Não há dúvida que a crise atingiu em cheio consumidores e lojistas. Mas, em Salvador, além da redução das vendas, os empresários reclamam também dos altos encargos — principalmente a taxa de condomínio dos shoppings. E o valor salgado não atrapalha apenas os pequenos lojistas. 

Responsável por uma grande loja em um shopping de Salvador, um empresário que não quis se identificar deu o panorama da situação: “Com a crise, os lojistas recorrem a refinanciamentos e negociações, porque o rendimento não supera os gastos”, contou à Metrópole. 

Supostamente, o cálculo do valor é feito levando em conta gastos com água, luz e segurança, mas a verdade é que a taxa de condomínio dos shoppings é uma verdadeira caixa-preta.

Shoppings de salvador ultrapassam média nacional de taxa de condomínio
Dois shoppings de Salvador ultrapassam a taxa média de R$ 80 por m² praticada nacionalmente. Marcelo Guimarães*, empresário ouvido pelo Jornal da Metrópole que possui lojas nos shoppings Salvador, da Bahia e Bela Vista, garantiu que, nestes dois últimos, o lojista paga R$ 90 pelo metro quadrado. 

“Os shoppings de Salvador estão ultrapassando esse limite. A gente tem três custos: aluguel, condomínio e fundo de promoção e propaganda. Todo shopping tem esses custos para os lojistas”, explicou o empresário.

Ninguém fala sobre os valores altos
Nenhum dos shoppings citados quis responder quanto cobra de taxa de condomínio ou qual o atual percentual de inadimplentes. O Shopping Barra afirmou que não pode fornecer os dados,  “pois o pacto firmado [com as lojas] veda essa divulgação”. Já o Salvador e Salvador Norte disseram que as taxas são definidas levando em conta “uma série de custos administrativos, relacionados a despesas mensais”, mas não informaram os valores questionados. O Shopping da Bahia e o Bela Vista não se posicionaram até o fechamento da matéria.

Fecomércio defende silêncio 
Vice-presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado da Bahia (Fecomércio), Kelsor Fernandes defende o silêncio dos shoppings de Salvador. “Taxa de condomínio é rateio. Tanto faz ser shopping ou prédio residencial. Os shoppings não falam porque é condomínio, coisa normal, não tem porque estar falando tanto. Um condomínio de shopping tem segurança, limpeza, luz, não tem muita diferença”, argumentou.

Lojistas reclamam da falta de transparência na taxa de condomínio de shoppings - Metro 1