Cidade

Primeira clínica especialista em cuidados paliativos é apresentada em Salvador

Um hospital com cara de hotel e aconchego de casa. É essa a sensação que a Clínica Florence passa a quem visita a sua estrutura amplamente iluminada, pintada em cores quentes e com a preocupação individual do bem estar dos pacientes, sejam eles em cuidados paliativos — assistência oferecida a portadores de doenças que não tem possibilidade de cura ou que ameace a vida — ou em reabilitação. [Leia mais...]

[Primeira clínica especialista em cuidados paliativos é apresentada em Salvador]
Foto : Luiza Leão/ Metropress

Por Luiza Leão no dia 07 de Abril de 2017 ⋅ 16:36

Um hospital com cara de hotel e aconchego de casa. É essa a sensação que a Clínica Florence passa a quem visita a sua estrutura amplamente iluminada, pintada em cores quentes e com a preocupação individual do bem estar dos pacientes, sejam eles em cuidados paliativos — assistência oferecida a portadores de doenças que não tem possibilidade de cura ou que ameace a vida — ou em reabilitação.

Sendo a primeira clínica de Salvador no modelo hospice, formato indicado para quem pode ser cuidado fora do hospital, mas não tem condições de ir para casa, a Florence será aberta ao público no próximo dia 3 de maio, no bairro de Nazaré. A unidade tem 37 leitos, entre individuais e duplos e pode atender pessoas a partir de 16 anos.

Uma vez que nem métodos altamente tecnológicos são suficientes para promover a cura de alguns pacientes, a equipe multidisciplinar — formada por médicos, enfermeiros, psicólogos, técnicos de enfermagem, fonoaudiólogos e terapeutas ocupacionais — visa entender a individualidade do paciente para melhor assistí-lo, focando nos âmbitos físico, psicológico, social e espiritual.

Este último não tem relação com uma fé, credo ou religião, mas algo que dê sentido a vida de uma pessoa, como a visita de um animal de estimação, por exemplo. Na clínica, necessidades como essa serão atendidas e a atenção também será voltada ao cuidado e apoio aos familiares dos enfermos.

De acordo com o idealizador e diretor executivo da Florence, Lucas Andrade, 15% dos leitos hospitalares privados da cidade de Salvador são ocupados por um mesmo paciente há mais de 30 dias e isso, muitas vezes, não representa uma melhora.

\'Se olharmos para as unidades de terapia intensiva (UTIs), em especial, 10% a 30% dos pacientes não se beneficiam da internação em leitos de alta complexidade\', garante. Pacientes em casos como esse tem o perfil indicado para a clínica, mas ainda assim vão precisar passar por uma avaliação da equipe para ser recebido por lá.

Segundo o diretor da Florence, as negociações com os planos de saúde já estão em andamento. Internações particulares também serão aceitas.

A médica especializada em Cuidados Paliativos e coordenadora da clínica, Fernanda Tourinho, destaca que os profissionais terão momentos para discutir o seu próprio bem estar, afim de que estejam bem para tratar os pacientes. \'Uma das vertentes dos cuidados paliativos é \'cuidando do cuidador\', justamente porque somos humanos e queremos nos manter humanos cuidando do outro, empáticos com o seu sofrimento, mas sem que isso gere na nossa estrutura psicológica um sofrimento com o qual a gente não consiga lidar\', explica.

Notícias relacionadas