Cidade

Rodoviários, médicos, bancários... Saiba quais categorias aderem à paralisação na sexta-feira

Em protesto contra algumas reformas propostas pelo presidente Michel Temer (PMDB), centrais sindicais de Salvador decidiram paralisar as atividades na próxima sexta-feira (28). [Leia mais...]

[Rodoviários, médicos, bancários... Saiba quais categorias aderem à paralisação na sexta-feira]
Foto : Tácio Moreira/ Metropress

Por Luiza Leão e Gabriel Nascimento no dia 25 de Abril de 2017 ⋅ 15:02

Em protesto contra algumas reformas propostas pelo presidente Michel Temer (PMDB), centrais sindicais de Salvador vão paralisar as atividades na próxima sexta-feira (28). Entre as categorias que decidiram aderir à greve geral, com a suspensão das atividades por 24 horas, estão os rodoviários, policiais civis, bancários e professores das redes municipal e estadual, além de alguns comerciantes da capital.

A greve geral é organizada em todo país pela Frente Brasil Popular, com apoio da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB). O protesto é contra o corte de direitos trabalhistas, terceirização e reforma previdenciária.

As manifestações devem começar pela manhã e se estendem durante o dia em diversos pontos da capital baiana. O auge do movimento deve ocorrer às 15h, quando todos os setores se encontram no Campo Grande.

Ônibus

De acordo com o presidente do Sindicato dos Rodoviários de Salvador, Daniel Mota, além da paralisação de 24h, se não houver acordo, os rodoviários da capital e Região Metropolitana também vão parar no dia 1º. Uma reunião entre trabalhadores e empresários será realizada na tarde desta quinta-feira (27). Caso os rodoviários decidam seguir com a paralisação, a Secretaria de Mobilidade (Semob) garantiu notificar as empresas de ônibus.

Ensino

O coordenador geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB), Rui Oliveira, informou que todos os professores da rede pública de ensino, docentes de colégios particulares da cidade vão aderir à mobilização. Segundo ele, profissionais farão protestos às 7h, no Iguatemi, às 15h, no Campo Grande, e às 18h30, no Rio Vermelho.

Poder Judiciário

O Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Estado da Bahia (Sinpojud) informou que seus filiados e funcionários também participarão da paralisação e que haverá mobilização às 6h em frente ao Shopping da Bahia, e às 15h, uma passeata com concentração no Campo Grande.

Saúde

O Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia informou que os profissionais da área também decidiram pela adesão à greve geral. Em assembleia realizada na noite da última segunda-feira (24), os médicos pontuaram, de forma unânime, que o Congresso Nacional não tem legitimidade para reformar a legislação.

Ferroviários, petroleiros e frentistas

Os ferroviários e petroleiros vão parar, durante 24 horas, o serviço da Companhia de Transporte da Bahia (CTB), responsável pelos trens entre a Calçada e o subúrbio da capital baiana. Quase 10 mil passageiros ficarão sem o transporte.

O Metrô de Salvador vai funcionar normalmente.

Já os frentistas não pretendem realizar piquetes, por entender que a greve não tem relação com o empresariado, mas com a conduta política que está sendo tomada no Brasil.

Segundo o Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindpetro), haverá um ato em frente ao edifício sede da Petrobras, no bairro do Itaigara, com concentração prevista para às 7 horas. À noite, a categoria se reúne no Largo de Santana, no Rio Vermelho.

Polícia Civil

O Sindicato dos Policiais Civis da Bahia (Sindpoc) informou que, apenas agentes de folga e membros da diretoria participarão das manifestações. O atendimento à população não será suspenso e haverá plantão nas unidades.

Polícia Militar

Em contato com o Metro1, o porta-voz da corporação capitão Bruno Ramos garantiu que os policiais militares não farão parte da greve. Uma operação foi montada para evitar violência e depredações durante as manifestações.

Outros sindicatos

Os trabalhadores dos Correios entraram em greve por tempo indeterminado na última quarta-feira (26) depois de uma assembleia.

Vigilantes também farão uma assembleia para chegar a uma definição, que deve acontecer na quarta-feira (26) e na quinta (27).

Notícias relacionadas