Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Cidade

Erros da Embasa para medir consumo prejudicam consumidores que pagam mais caro

Desde que se mudou para um novo apartamento no bairro do Imbuí, em Salvador, o funcionário Público Milton Cavalcante viu a sua conta de água ser multiplicada por dez tendo o mesmo consumo de antes. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Dario Guimarães/Metropress (Arquivo)

Por Bárbara Silveira no dia 28 de Maio de 2015 ⋅ 07:00

Bárbara Silveira

Desde que se mudou para um novo apartamento no bairro do Imbuí, em Salvador, o funcionário Público Milton Cavalcante viu a sua conta de água ser multiplicada por dez tendo o mesmo consumo de antes.

Intrigado com o valor cobrado pela Empresa Baiana de Águas e Saneamento S.A. (Embasa) o funcionário público cogitou a hipótese de um vazamento, mas logo chegou a conclusão que o erro era da companhia. “Em abril, a conta veio maior, ai a gente verificou que tinha algo errado. Abrimos o chamado no dia 28 de abril e após o prazo, não deram nenhum retorno. Eu procurei a Agersa [Agência Reguladora de Saneamento Básico do estado da Bahia]. Através deles, eu tive uma resposta da Embasa dizendo que minhas contas estavam sendo cobradas pela média”, explica.


O problema é que o parâmetro de comparação da Embasa não condiz com a realidade de consumo da residência. “A média que eles alegam é a de um ano, sendo que eu estou aqui no apartamento há seis meses, o inquilino anterior tinha uma média mais alta”, conta. Ou seja, se antes moravam 6 pessoas no apartamento e agora moram duas, Milton paga pelo que não consumiu.


Além disso, o valor marcado no hidrômetro não condiz com a conta. “Se chegar um técnico e olhar o hidrômetro, tá marcando 474. Na conta que venceu 5/5, que eles alegam que a leitura começou em 469, e terminou em 484. Totalmente diferente do que tá marcando”, afirma.
E não faltam consumidores como Milton continuam procurando respostas para os cálculos da Embasa...

Mais de R$ 800 em aumento e diferença “sugestiva” na conta


E a tal média utilizada pela Embasa no cálculo das contas também surpreendeu moradores de um condomínio em Amaralina. Mesmo com toda uma ação de conscientização ambiental para reduzir o consumo de água, eles foram surpreendidos com a chegada da fatura.


“No dia 13 de maio, o representante da Embasa aferiu o hidrômetro e a medição deu certa: a leitura estava 8061 e a leitura anterior era 7728, e esses números estão corretos. Depois, eu fui verificar a conta no site e os valores da leitura continuam corretas: a diferença dessas duas dá 333 m³, que foi o nosso consumo no período apurado. Já na fatura do mês de junho, eles colocaram essas duas leituras e colocaram como se a gente tivesse consumido 504m³”, explica o morador do condomínio, Leonardo Costa.


De acordo com ele, após detectar o erro, a Embasa foi procurada, mas só enviou algum tipo de resposta muito tempo depois. “A nossa revolta é porque nós estamos fazendo isso por dois motivos: pela conta, que ficou R$ 3.743 com o consumo que eles apontaram, e pela questão ambiental”, reclama.

Agersa e Procon podem ajudar

De acordo com o coordenador de atendimento do Procon, Iratãn Vilas Boas, os consumidores que encontram irregularidades devem procurar o órgão. “Nós entraremos em contato imediato com o fornecedor para pedir esclarecimentos e detalhamentos da conta. O fornecedor se compromete em 15 dias a responder a demanda formulada pelo Procon. Caso a resposta seja negativa ou não haja resposta, o Procon abre um processo administrativo, podendo, inclusive, multar o fornecedor”, explica.


O consumidor também pode recorrer à Agersa, criada pela governo do estado para fiscalizar, regular e mediar os serviços prestados pela Embasa. “Vencido o prazo estipulado pela prestadora e não tendo sido atendido satisfatoriamente, pode e deve o consumidor recorrer à Agersa através do 0800 075 3226”.

Procurada pelo Jornal da Metrópole, a Embasa só soube responder sobre o problema de Milton e culpou o equipamento de medição individual. “A responsabilidade pela manutenção de todos os equipamentos de medição individual, inclusive o concentrador e instalações hidráulicas, é exclusiva dos próprios usuários”. Ok...

 

Notícias relacionadas