Cidade

Aeroporto terá reestruturação da área de check-in e reforço na segurança, adianta Vinci

O presidente do conselho da Vinci Airports no Brasil, José Luís Menghini, esteve na Rádio Metrópole, na manhã desta quarta-feira (11), e adiantou para Lara Kertész as alterações que serão feitas no Aeroporto de Salvador. De acordo com ele, entre as principais mudanças está a reestruturação do terminal de embarque. [Leia mais...]

[Aeroporto terá reestruturação da área de check-in e reforço na segurança, adianta Vinci ]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Gabriel Nascimento e Matheus Morais no dia 11 de Outubro de 2017 ⋅ 11:37

O presidente do conselho da Vinci Airports no Brasil, José Luís Menghini, esteve na Rádio Metrópole, na manhã desta quarta-feira (11), e adiantou para Lara Kertész as alterações que serão feitas no Aeroporto de Salvador. De acordo com ele, entre as principais mudanças está a reestruturação do terminal de embarque. "As ilhas atuais dificultam a circulação de pessoas porque estão transversais com o sentido de circulação. Então, o lugar de check-in vai ser horizontal e não a 90 graus como é hoje. Isso vai facilitar a fila e a circulação", contou.

"As pessoas não vão entrar no aeroporto como entram hoje. Vão entrar em uma zona com elevadores, com escadas e aí vão fazer todo o procedimento de segurança para finalmente descer para um grande shopping center de embarque", acrescentou. Ainda segundo ele, a segurança em todos os setores será reforçada. "Pretendemos controlar melhor estacionamentos, as pessoas que circulam no aeroporto. Porque sem segurança é um verdadeiro desastre", disse.

Questionado sobre o controle na área externa, Menghini ressaltou que a Vinci será mais rigorosa. "O problema é o comportamento dentro do aeroporto. Os taxistas e alguns agentes agridem os passageiros. Mas também tem gente que não sabe o que é meio fio. Eles não cumprem as regras. Nós estamos fazendo uma série de discussões com a Transalvador e pretendemos colocar mais câmeras. As pessoas precisam saber que são controladas. Uma pessoa que estaciona a um metrô do meio fio não pode ser considerado alguém responsável", concluiu.

Notícias relacionadas