Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Cidade

Tinoco lamenta 'falta de habilidade' para detectar origem de óleo nas praias

Responsável pelo vazamento que começou no início de setembro ainda não foi identificado

[Tinoco lamenta 'falta de habilidade' para detectar origem de óleo nas praias ]
Foto : Tácio Moreira/ Metropress

Por Juliana Almirante no dia 15 de Outubro de 2019 ⋅ 10:41

O secretário de Cultura e Turismo de Salvador, Cláudio Tinoco, afirmou, em entrevista à Rádio Metrópole hoje (15), que a prefeitura tem feito sua parte diante da chegada de óleo nas praias da capital baiana, detectada na última sexta-feira. Ele diz que foi reconhecido pelo Ibama e pela coordenação do incidente que a administração municipal está preparada para fazer o "básico", que é a limpeza das praias.

No entanto, o secretário lamenta a falta de habilidade para detectar a origem exata do vazamento de petróleo bruto, que começou no início de setembro. Especialistas apontam que o produto teria origem na Venezuela. Além disso, a Marinha notificou 30 navios de 10 países após as manchas. No entanto, o responsável pelo vazamento ainda não foi identificado.

"A gente lamenta muito a falta de habilidade para se estabelecer a origem. Até mesmo para esclarecer para a sociedade e para a população. Mas a gente tem feito nossa parte. No âmbito da prefeitura, o presidente da Limpurb, Marcos Vinícius, ficou designado pelo prefeito para participar do comitê de acompanhamento", explica.

No serviço de limpeza das praias soteropolitanas, a Limpurb coletou 35 kg do material no final de semana.  O secretário espera agora que a situação seja solucionada em breve, para que o setor turístico não sofra com os efeitos da poluição na alta estação. 

"Do ponto de vista de nós, não só baianos, mas nordestinos, a gente depende muito do turismo, no nosso litoral, sobretudo na fase do ano em que se aproxima o verão. A gente espera que isso possa ser atenuado e resolvido de forma mais ampla e definitiva, para que a gente não tenha tanto prejuízo na alta estação", avalia.

Notícias relacionadas