Cidade

Após reclamação de moradores do Horto Florestal, secretário esclarece interdição: 'Não é bairro'

De acordo com Sérgio Guanabara, medidas restritivas no combate ao coronavírus acontecem de forma natural como os outros bairros da capital baiana

[Após reclamação de moradores do Horto Florestal, secretário esclarece interdição: 'Não é bairro']
Foto : Matheus Simoni/Metropress

Por Matheus Simoni no dia 21 de Maio de 2020 ⋅ 09:56

Após diversas reclamações de moradores da região do Horto Florestal, o secretário municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur), Sérgio Guanabara, explicou que as medidas restritivas por conta da pandemia de coronavírus em Salvador atendem ao alto registro de contaminação nos bairros. Atualmente, segundo o gestor, a medida não identifica o Horto como bairro, já que trata-se de uma região do bairro de Brotas. Guanabara declarou ter conhecimento da reclamação foi feita pelos moradores ao deputado estadual Tiago Correia (PSDB). 

"Salvador tem mais de 160 bairros na península continental. Dentro desses 160 bairros, o Horto não está apontado como bairro. É uma lei de 2017, que foi indicado como bairro, assim como outras regiões da cidade. Para ser bairro, tem que atender a alguns requisitos. Carece de um estudo a ser feito. Naquele época, a lei indicava necessidade de estudos por parte da Sedur, que ainda era Sucom. Os estudos estão sendo feitos. A indicação de bairros como Alto do Cruzeiro, Chame-Chame e outros, mas não se consolidou ainda", disse o secretário, em entrevista a José Eduardo no Jornal da Bahia no Ar da Rádio Metrópole hoje (21). 

"Dentro da prática da estrutura legal da prefeitura, não há indicação do Horto como bairro. Integra, de fato, a região de Brotas. Por isso saiu a poligonal no decreto do prefeito, englobando essa porção territorial do Horto, que não é bairro. É uma percepção que as pessoas têm por conta do CEP, mas é uma definição dos Correios e não uma definição legal do município", afirmou Guanabara

Na avaliação do secretário da Sedur, a medida protetiva foi adotada por conta do percentual de contaminação por coronavírus. "O impacto econômico na região não é elevado. A questão nossa em relação a Brotas, e não ao Horto, é a questão epidemiológica, uma questão sanitária. A prefeitura, dentro dessas ações regionalizadas para enfrentamento da pandemia do coronavírus, vamos levar diversas medidas de apoio e proteção a moradores e que, aí sim, terá restrição de atividade econômica. Não haverá interferência na mobilidade daquele território urbano. Para nós, é uma coisa absolutamente natural, como no Bonfim e na Liberdade", esclareceu. 

Notícias relacionadas

[Ceasa é desinfectado como prevenção ao coronavírus]
Cidade

Ceasa é desinfectado como prevenção ao coronavírus

Por Kamille Martinho no dia 25 de Maio de 2020 ⋅ 17:20 em Cidade

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico fez uma ação operacional preliminar, como o fechamento do Ceasa ao público, viabilizando a desocupação