Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Cultura

Luiz Caldas rebate fala de Neto sobre 'dor de cotovelo': 'O senhor deveria respeitar os artistas baianos'

Nesta quarta (2), prefeito de Salvador sugeriu que críticas à contratação de Gusttavo Lima e Ivete Sangalo para o Réveillon se devem a "inveja": "São pessoas que pensam pequeno e torcem contra a cidade"

[Luiz Caldas rebate fala de Neto sobre 'dor de cotovelo': 'O senhor deveria respeitar os artistas baianos']
Foto : Reprodução/Redes sociais

Por Juliana Rodrigues no dia 03 de Dezembro de 2020 ⋅ 09:32

O cantor e compositor Luiz Caldas publicou ontem (2), nas redes sociais, um vídeo em resposta à declaração do prefeito de Salvador, ACM Neto, que classificou as críticas à contratação de Gusttavo Lima e Ivete Sangalo para o Réveillon da cidade como "inveja" e "dor de cotovelo".

"Me deparar com o senhor falando que nós, artistas baianos, somos invejosos, estamos com dor de cotovelo, é inadmissível. Eu acredito que os artistas respeitam o senhor. O senhor deveria também respeitar os artistas. Não estou falando de política, estou falando da forma como se trata uma classe. A classe musical merece respeito, e só tem o respeito dela quem se dá ao respeito. Eu não tenho inveja de ninguém. Deus me deu dom e talento pra poder cuidar da minha carreira e da minha vida", disse.

A declaração de Neto foi dada em coletiva de imprensa após entrega de 19 novas ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), no Terminal Náutico da Bahia. Segundo ele, as críticas à contratação de Ivete e Gusttavo são infundadas, já que os cachês são bancados pelos patrocinadores do Réveillon de Salvador. "O que importa é que a prefeitura correu atrás de patrocinadores para que não houvesse um centavo de dinheiro público colocado no pagamento do cachê dos dois. Eu adiei o anúncio algumas vezes exatamente porque não estava com os patrocínios amarrados. O resto é dor de cotovelo. O resto é inveja. O resto são pessoas que pensam pequeno e torcem contra a cidade. Nós vamos ter o maior evento do Brasil, esse evento vai ser acompanhado no mundo inteiro. Façam a conta para ver o que representa isso em termos de promoção para a cidade. Estamos falando de economia", afirmou.

Notícias relacionadas