Segunda-feira, 27 de setembro de 2021

Cultura

Ícone da voz e da rebeldia, Amy Winehouse morria há 10 anos deixando um legado de transformação

Artista marcou a história da música mundial com seu timbre de contralto, visual de pin-up e letras confessionais

Ícone da voz e da rebeldia, Amy Winehouse morria há 10 anos deixando um legado de transformação

Foto: Divulgação

Por: Juliana Rodrigues no dia 23 de julho de 2021 às 09:01

Há exatos dez anos, em 23 de julho de 2011, morria a cantora e compositora britânica Amy Winehouse. Nascida em 14 de setembro de 1983, a artista marcou a história da música mundial com seu timbre de contralto, visual de pin-up e letras confessionais, embora também tenha ficado no imaginário popular como a "garota-problema", devido às polêmicas com álcool e drogas e ao vício que causou sua morte.

Amy estreou profissionalmente aos 19 anos, com o álbum "Frank". Lançado no Reino Unido em 2003, o trabalho mesclava jazz, neo soul e R&B, e lhe rendeu disco de platina, além de premiações locais. Três anos depois, o sucesso internacional veio com o segundo álbum, "Back to Black", que trata do seu complicado relacionamento com o produtor Blake Fielder-Civil e das tentativas de reabilitação do vício em drogas pesadas, ao qual foi introduzida pelo namorado. Com o disco, Amy chegou ao auge da carreira e conquista cinco das seis premiações do Grammy aos quais foi indicada. "Back to Black" deu à artista o Grammy de Melhor Álbum Vocal Pop, além de Melhor Canção do Ano (Rehab), Gravação do Ano (Rehab), Melhor Performance Vocal Pop Feminina (Rehab) e Artista Revelação.

O êxito musical e a fama internacional fizeram com que os paparazzi e a imprensa passassem a ter um interesse cada vez maior pela vida pessoal de Amy, focando principalmente em seus problemas com drogas. Além do vício, os relacionamentos complicados, a bulimia e os transtornos de saúde mental contribuíram para degradar sua imagem pública, a tal ponto que programas de TV chegaram a retratar a artista como uma "louca drogada". É o caso do "Pânico na TV", exibido entre 2003 e 2012 na RedeTV!, que chegou a exibir o quadro "Momento Amy Winehouse".

Com a saúde debilitada, envolta em uma tragédia pessoal explorada publicamente, Amy teve a carreira musical prejudicada. Por diversas vezes, tentou tratar os vícios em álcool e drogas, sem sucesso. A última tentativa foi em 2011, ano de sua morte, causada por um consumo abusivo de álcool após um período de abstinência.

Para marcar os dez anos da morte de Amy, foi lançado um novo documentário, no qual a família e os amigos relembram a vida da cantora. Narrado pela mãe, Janis Winehouse-Collins, o filme "Reclaiming Amy" apresenta imagens caseiras, fotos de família e entrevistas com amigos próximos. O documentário saiu nesta sexta-feira e é mais uma chance de conhecer ou recordar a vida e a obra da cantora, que acima de polêmicas e sátiras maldosas, fez história na música mundial. A arte de Amy é o que fica.

Ícone da voz e da rebeldia, Amy Winehouse morria há 10 anos deixando um legado de transformação - Metro 1