Quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Cultura

"O Itaú tinha direito de sair. O problema foi a forma como foi feito", diz sócio do Cine Glauber Rocha

Itaú encerrou parceria com o cinema nesta quinta-feira (16)

"O Itaú tinha direito de sair. O problema foi a forma como foi feito", diz sócio do Cine Glauber Rocha

Foto: Reprodução

Por: Luciana Freire no dia 16 de setembro de 2021 às 18:25

O cineasta e diretor do Cinema Glauber Rocha, Claudio Marques lamentou que a parceria com o Itau tenha acabado "tão abruptamente". O Cinema Glauber Rocha fica na praça Castro Alves e vêm enfrentando dificuldades para se manter. Ele é o único cinema de rua de Salvador — fora o Tupi.

"Não quero parecer ingrato, mas acho que talvez algumas pessoas lá dentro não tenham entendido como esse prédio é importante para a cidade. Como esse prédio historicamente está na encruzilhada cultural de Salvador. Estamos falando de Glauber, Castro Alves, Gregório de Matos, o forte no mar, e a gente tá falando de uma coisa muito orgânica, muito viva. No release que o Itaú divulgou hoje ele tá falando de um fetiche, uma moda, como se o cinema fosse morrer", disse Claudio em entrevista à Rádio Metropole nesta quinta-feira (16).

Segundo o diretor, há negociações, porém as dívidas são altas, o cinema está com a receita parada desde o início da pandemia. "Mas estamos com os melhores equipamentos de projeção disponíveis, não apenas em Salvador mas no país. O 'coração do cinema' aqui é da melhor qualidade possível. O som da salas é muito bom, são salas excepcionalmente bem projetadas. Tá tudo aqui, não é possível que a gente vai perder tudo", disse.

Para Claudio ainda há esperança que o Glauber reviva com mais potência. "Estou muito confiante de que a gente vai abrir alguns caminhos, construir algumas pontes com o poder público, com a sociedade civil organizada, outras empresas, outros parceiros. Acredito que vamos não apenas possibilitar que o cinema continue vivo, mas ele vai renascer mais potente, mais forte e para mais gente", afirmou.

"O Itaú tinha direito de sair. O problema foi a forma como foi feito", diz sócio do Cine Glauber Rocha - Metro 1