Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Cultura

Casa de Rui Barbosa será dirigida por novelista do SBT indicada por Marco Feliciano

Letícia Dornelles, roteirista de "Partiu Shopping", entrou no lugar da filóloga Rachel Valença, que dedicou 33 anos à Fundação

[Casa de Rui Barbosa será dirigida por novelista do SBT indicada por Marco Feliciano]
Foto : Divulgação

Por James Martins no dia 28 de Outubro de 2019 ⋅ 08:53

A Fundação Casa de Rui Barbosa, dedicada desde 1930 a preservar a obra e zelar pelo arquivo do orador, jurista e jornalista baiano, será comandada, a partir da próxima semana, por Letícia Dornelles, autora de novelas do SBT e da Record e apadrinhada política do deputado e pastor Marco Feliciano (Podemos-SP). 

“Queriam achar uma função pra mim em Brasília. Aí eu falei: ‘Não, deixa eu ficar no Rio’. A fundação foi o que encontramos para eu poder ajudar”, declarou Letícia ao jornal O Globo deste domingo (27). Em seu currículo ela traz, entre outras obras, “Como Enlouquecer em Dez Lições” e “As Aventuras de Patrick na Fazenda”, inspirada no filho de 9 anos. Além disso, foi repórter de TV e roteirista dos humorísticos “Partiu Shopping” e “Treme Treme”.

Outro feito de Letícia que deve ter contado para a nomeação foi ter um texto em que defende o Presidente da República tuitado pelo vereador licenciado Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), o filho do homem. “O Carlos Bolsonaro repostou e o texto viralizou”, orgulha-se.

Além disso, de acordo com a reportagem de Bernardo Mello Franco, ela virou uma conselheira informal do poder. “Converso com algumas pessoas, dou ideias. Às vezes fico triste com alguma coisa que acontece e falo: ‘Poxa, gente, não faz isso…’”.

Preterida pelos funcionários da Fundação, que haviam indicado a filóloga Rachel Valença, que dedicou 33 anos à Casa, Letícia diz que quer “acelerar as palestras, que hoje são muito acadêmicas” e pretende pacificar os ânimos dos servidores, por ser “libriana”. “Não tenho mestrado, mas também sou pesquisadora. Não estou caindo de paraquedas. Passei por entrevistas, foi quase um reality show”, garantiu.

Já Marco Feliciano contou ao jornalista que o ministro da Cidadania, Osmar Terra, responsável pela fundação, achou o nome da autora de novelas “formidável” para a função. De acordo com o deputado, “a Fundação Rui Barbosa (sic) não precisa de mais um acadêmico, já tem muitos. Precisa de sangue novo”.

Notícias relacionadas