Cultura

Capinam: 'Esforço libertário do século XX é muito importante'

Compositor baiano destaca que, após esforço pelas liberdades individuais hoje encaramos o aumento do radicalismo

[Capinam: 'Esforço libertário do século XX é muito importante']
Foto : Alexandre Galvão/Metropress

Por Juliana Almirante no dia 06 de Dezembro de 2019 ⋅ 12:37

O cantor e compositor baiano José Carlos Capinam falou hoje (6), em entrevista à Rádio Metrópole, sobre as mudanças que aconteceram no século XX, principalmente no que diz respeito ao esforço pelas liberdades individuais.

Ele afirma que o período será uma das questões levantadas durante o show “Flor da Memória”, em que faz parceira com o também compositor e cantor Roberto Mendes. 

"Hoje o que acho mais importante para abordar é a questão do século XX. Acho muito importante. E o esforço libertário do século XX é muito importante. Questões dos negros, das mulheres, que foram colocadas e estamos cada vez mais radicais. O que se mata, em relação ao feminicidio, é assustador. Tendo passado um século que foi de abrir caminhos para humanidade", comenta.

Ele também avaliou o problema sofrido pelas pessoas despatriadas, que são obrigadas a deixar o lugar onde vivem, por conta de crise econômica.

"Mao mesmo tempo vivemos problema do desabrigado, do despatriado, sem chance de produzir vida decente na sua terra e é obrigada a ir para outras fronteiras, para os EUA, por exemplo, que parecer a 'Meca' do capitalismo. O sofrimento aumenta. É impressionante esse fenômeno da falta de condições de se viver na sua própria natureza, por causa de conflitos econômicos violentíssimos e pobreza. Ao mesmo tempo que produz abundância, produz a miséria. É impressionante",disse.

Serviço:
O quê: Roberto Mendes e Capinan – Flor da Memória
Quando: 07/12 (sábado)
Horário: 20h30
Onde: Café Rubi
Quanto: Couvert artístico – R$ 100

Notícias relacionadas

[Nação Zumbi anuncia álbum de inéditas para 2020]
Cultura

Nação Zumbi anuncia álbum de inéditas para 2020

Por James Martins no dia 21 de Janeiro de 2020 ⋅ 12:05 em Cultura

O último disco da banda pernambucana tem apenas releituras de clássicos como "Refazenda", de Gilberto Gil, e "Ashes to Ashes", de David Bowie