Cultura

'Teatro me alimenta', celebra ator Frank Menezes

Conhecido por espetáculos teatrais como "A Bofetada", ele afirmou que, apesar de as peças serem baseadas em textos, cada apresentação se torna diferente

[ 'Teatro me alimenta', celebra ator Frank Menezes ]
Foto : Alexandre Galvão/ Metropress

Por Juliana Almirante no dia 10 de Dezembro de 2019 ⋅ 12:34

O ator Frank Menezes disse hoje (10), em entrevista à Rádio Metrópole, que o teatro é o campo das artes cênicas em que se sente mais realizado de atuar, em comparação à TV e ao cinema.

"O teatro me alimenta. O teatro é fanstástico. A resposta (do público) é imediata", define. 

Conhecido por espetáculos teatrais como "A Bofetada" e "Vixe Maria! Deus e o Diabo na Bahia", ele afirmou que, apesar de as peças serem baseadas em textos, cada apresentação se torna diferente.

"Não tem uma lógica e não tem uma certeza. Nunca é igual. O que é igual é o texto, a mensagem, a obra. Mas a energia, a respiração, nada é igual. Várias coisas podem fazer com que a gente... Uma respiraçãoo diferente vai fazer com que uma piada funcione melhor hoje do que ontem, ou o contrário. Ou no drama, uma respiração diferente pode fazer com que o público se encaixe e entenda melhor o sofrimento do personagem do que ontem. É uma química que leva a uma emoção, que é muito interessante", explica.

O ator já atuou em produções cinematográficas como "Quincas Berro D'Água" e, na TV, trabalha hoje na séria "Cine Holliúdy".

"Costumo dizer que a obra do teatro pertence a mim, ao ator. O teatro é uma obra que pertence muito mais ao ator do que a TV e o cinema. Às vezes, você faz uma cena, uma vez só, pra TV e cinema. Aquilo fica eternizando e não lhe pertence mais. Eu não posso pedir que uma cena que fiz a Rede Globo pAsse amanhã, vão passar na hora que quiserem", justifica. 

Notícias relacionadas

[Nação Zumbi anuncia álbum de inéditas para 2020]
Cultura

Nação Zumbi anuncia álbum de inéditas para 2020

Por James Martins no dia 21 de Janeiro de 2020 ⋅ 12:05 em Cultura

O último disco da banda pernambucana tem apenas releituras de clássicos como "Refazenda", de Gilberto Gil, e "Ashes to Ashes", de David Bowie