Cultura

Zuza Homem de Mello faz recomendações de produtos culturais para apreciar em casa

Documentários disponíveis na Netflix foram recomendados por jornalista e musicólogo; confira

[Zuza Homem de Mello faz recomendações de produtos culturais para apreciar em casa]
Foto : José Bassit/ Divulgação

Por Juliana Almirante no dia 25 de Março de 2020 ⋅ 12:27

O jornalista, musicólogo, escritor e produtor musical Zuza Homem de Mello fez recomendações em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã de hoje (25), de produtos culturais para assistir em casa durante o isolamento social recomendado durante a pandemia do coronavírus.

Ele conta que durante o período de isolamento, tem buscado ouvir itens da sua discoteca particular. "Possuo uma discoteca esplêndida. Tenho em casa aproximadamente 10 mil LPs, tenho o quase tanto de CD, fora o que está em uma casa de campo onde não posso ir. Tenho material do passado e do presente. Material do futuro, pq recebo muitos discos. Recebo CDs de gente nova e continuo constatando a quantidade de ótimos compositores, cantoras e cantores que surgem na musica brasileira. Então me delicio", diz.

Ele fez recomendações de alguns documentários disponíveis na Netflix que contam a história de músicos. Zuza classifica como "imperdível" a produção "Miles Devis: Birth of The Cool". O jornalista também recomenda "I Called Him Morgan", que aborda a vida do trompetista Lee Morgan, que morreu assassinado ainda jovem,  e "What Happened, Miss Simone?", sobre a cantora Nina Simone.

Zuza também elogiou a beleza das apresentações de dança de Fred Astare e Ginger Rogers, disponíveis no Youtube. "Esses filmes de Fred Astare são maravilhosos. É impressionante o que foi feito naquela época e revê-los é algo que nos traz de volta à uma época em que a dança tinha uma classe, uma categoria. Era muito mais classe e categoria do que acrobacia, como hoje em dia. Nessa aspecto, ninguém supera Fred Aastare. (...) Consta que eles só faziam uma tomada e estava pronta devido ao fato de que Fred Astare era um cara vidrado em ensaiar. Ele sansaiava até nao mais poder. Isso que dava capacidade para que tirasse de letra na hora da filmagem", comenta.

Notícias relacionadas

[Sambista Riachão morre aos 98 anos]
Cultura

Sambista Riachão morre aos 98 anos

Por Matheus Simoni e James Martins no dia 30 de Março de 2020 ⋅ 10:05 em Cultura

Riachão é compositor de sambas como "Cada Macaco no Seu Galho" e "Vá Morar Com o Diabo" e planejava lançar um álbum ainda neste ano