Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Economia

Auxílio emergencial pode ficar para abril, diz Guedes

Segundo Guedes, Ministério da Cidadania está definindo formatação para decidir como benefício, que vai variar de R$ 150 a R$ 375, será distribuído

[Auxílio emergencial pode ficar para abril, diz Guedes]
Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Danielle Campos no dia 13 de Março de 2021 ⋅ 12:00

Embora o governo esteja trabalhando para retomar o pagamento do auxílio emergencial ainda em março, a primeira parcela da nova rodada deverá ficar para abril, de acordo com o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta sexta-feira (12). Em entrevista a um portal de internet, ele declarou que o benefício vai variar de R$ 150 a R$ 375. As informações são da Agência Brasil.

De acordo com Guedes, o Ministério da Cidadania está definindo a formatação do programa para decidir em que casos o beneficiário receberá o menor e o maior valor. O ministro disse que a renovação do auxílio emergencial só não saiu antes porque a política tem um tempo próprio para autorizar os gastos extras.

“Não há disputa. Ninguém está fazendo política subindo em cadáver”, rebateu. Para Guedes, as contrapartidas fiscais exigidas na proposta de emenda à Constituição (PEC) Emergencial foram necessárias porque o governo não tinha condições de continuar a pagar um benefício de R$ 600.

“Um auxílio de R$ 600 não seria sustentável e ia virar inflação, o que prejudicaria os mais pobres. Com R$ 600 por mais dois anos, a inflação vai a 5%, 6%, 7%”, argumentou o ministro.

Notícias relacionadas