Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Economia

Despesas da Previdência fecham acima do projetado pelo governo para março

O ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se opõe a aprovação do orçamento atual

[Despesas da Previdência fecham acima do projetado pelo governo para março]
Foto : Agência Câmara

Por Augusto Romeo no dia 02 de Abril de 2021 ⋅ 12:30

No centro da polêmica do Orçamento de 2021 aprovado pelo Congresso, as despesas com o pagamento de benefícios da Previdência fecharam março dentro das projeções da equipe econômica. O resultado sinaliza que é incerto considerar no Orçamento que os gastos das contas da Previdência ficarão menores do que o previsto pelo governo.

O Orçamento foi aprovado com o cancelamento de R$ 13,5 bilhões de despesas da Previdência para acomodar um número maior de emendas parlamentares. As previsões de gastos foram subestimadas devido a projeção do Ministério da Economia de elevar em mais R$ 8,4 bilhões as despesas com benefícios previdenciários por causa do impacto do salário mínimo de R$ 1,1 mil nos benefícios. A previsão anterior considerava R$ 1.067. 

Essa manobra contábil está sob análise do Tribunal de Contas da União (TCU) após grupo de parlamentares protocolar representação para que a Corte de Contas analise a contabilidade usada. Dados apontam que, no mês passado, as despesas foram de R$ 54,53 bilhões, ligeiramente acima da projeção de R$ 54,52 bilhões. O resultado de março quebra uma sequência de dois meses em que as despesas com a Previdência Social vieram abaixo do previsto, sendo R$ 1,2 bilhão em janeiro e R$ 1,6 bilhão em fevereiro.

Em suas redes sociais, o ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), comentou os dados. “Fica claro que o resultado da Previdência no mês de março vai aumentar as dificuldades do governo no cumprimento do teto de gastos, caso o orçamento aprovado no Congresso seja sancionado pelo Executivo”, disse. Maia é um dos autores da representação no TCU e tem defendido que o Orçamento não pode ser sancionado da maneira que está.

Notícias relacionadas