Economia

Bandeira amarela! Contas de luz terão cobrança extra em novembro

A partir de novembro, os brasileiros devem voltar a taxa extra das bandeiras tarifárias. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (28), pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Isso quer dizer que, no próximo mês, entra em vigor a bandeira de cor amarela, o que implica na cobrança extra de R$ 1,50 para cada 100 kWh de energia consumidos. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução

Por Jessica Galvão no dia 28 de Outubro de 2016 ⋅ 17:01

A partir de novembro, os brasileiros devem voltar a taxa extra das bandeiras tarifárias. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (28), pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Isso quer dizer que, no próximo mês, entra em vigor a bandeira de cor amarela, o que implica na cobrança extra de R$ 1,50 para cada 100 kWh de energia consumidos.

No mês de abril, a cobrança da taxa havia sido suspensa quando mudou para a cor verde pela primeira vez desde que o sistema entrou em vigor, em janeiro de 2015, e permaneceu nesta cor até outubro.

A Aneel jusficou a mudança, através de nota, alegando que "a condição hidrológica está menos favorável" no país. Isso significa que a falta de chuvas levou à redução no armazenamento de água nos reservatórios das hidrelétricas e, como consequência, foi necessário acionar um número maior de térmicas (usinas que geram energia por meio da queima de combustíveis) para atender à demanda por energia no país.

Notícias relacionadas

[Dólar cai e volta a fechar abaixo de R$ 5,10]
Economia

Dólar cai e volta a fechar abaixo de R$ 5,10

Por Luciana Freire no dia 09 de Abril de 2020 ⋅ 20:00 em Economia

Banco Central voltou a fazer hoje o leilão de até 10 mil contratos de swap cambial tradicional para rolagem do vencimento em maio

[Dólar cai de novo e fecha a R$ 5,143]
Economia

Dólar cai de novo e fecha a R$ 5,143

Por Luciana Freire no dia 08 de Abril de 2020 ⋅ 19:30 em Economia

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, emendou a terceira alta, de 2,97%