METROPOLE

Quinta-feira, 13 de maio de 2021

Economia

Meirelles diz ser prejudicial começar 2018 com reforma previdenciária pendente

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta segunda-feira (18) que é preciso aprovar a reforma da Previdência para que o país inicie um novo capítulo com equilíbrio fiscal e estabilidade econômica. [Leia mais...]

Meirelles diz ser prejudicial começar 2018 com reforma previdenciária pendente

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Por: Luiza Leão no dia 18 de setembro de 2017 às 14:44

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta segunda-feira (18) que é preciso aprovar a reforma da Previdência para que o país inicie um novo capítulo com equilíbrio fiscal e estabilidade econômica. De acordo com Meirelles, seria prejudicial começar 2018 com a aprovação da reforma pendente.

\"O país tem o direito e a expectativa de que a reforma da Previdência seja votada agora e seja aprovado nos seus pontos fundamentais para que entremos num novo capítulo, um capítulo com equilíbrio fiscal, com estabilidade econômica e que possa garantir ao país uma rota de crescimento sustentável nos próximos anos\", falou em entrevista coletiva após a cerimônia de posse da procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

Questionado sobre a possibilidade de a nova denúncia apresentada pelo Ministério Público (MP) ao Supremo Tribunal Federal (STF), contra o presidente da República, Michel Temer, atrapalhar o andamento da reforma, o ministro da Fazenda disse esperar que \"tudo seja mantido e votado no seu devido tempo\".

\"Os parlamentares estão conscientes disso. O Brasil precisa deixar esse capítulo para trás; não podemos continuar discutindo a reforma da Previdência, porque se ela não for feita agora, terá que ser feita no futuro próximo\", declarou Meirelles.

O relatório da reforma da Previdência, aprovado em comissão especial da Câmara, ainda precisa passar por votação em plenário.

TV METRO

Comentários

Luiz Felipe Pondé

Em 12 de maio de 2021
ASSINE O CANALMETROPOLE NO YOUTUBE
Meirelles diz ser prejudicial começar 2018 com reforma previdenciária pendente - Metro 1