Economia

Metade dos jovens brasileiros corre risco de não conseguir bom emprego

O relatório “Competências e Empregos: Uma Agenda para a Juventude”, divulgado hoje pelo Banco Mundial, aponta que um em cada dois jovens brasileiros entre 19 e 25 anos corre risco de ficar fora da concorrência pelos bons empregos no País, o que os torna mais vulnerável à pobreza. [Leia mais...]

[Metade dos jovens brasileiros corre risco de não conseguir bom emprego]
Foto : Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Por Marina Hortélio no dia 07 de Março de 2018 ⋅ 20:22

O relatório “Competências e Empregos: Uma Agenda para a Juventude”, divulgado hoje pelo Banco Mundial, aponta que um em cada dois jovens brasileiros entre 19 e 25 anos corre risco de ficar fora da concorrência por bons empregos no país, o que os torna mais vulneráveis à pobreza.

De acordo com o documento, 52% dos jovens brasileiros não são produtivos. Dentre eles, 11 milhões não estudam nem trabalham. Na conta, ainda entram aqueles que estão com atraso na formação e os que trabalham na informalidade.

Outro relatório também divulgado hoje pelo Banco Mundial, o “Emprego e Crescimento: a Agenda da Produtividade”, analisou a urgência da adoção de medidas para que o Brasil se torne mais produtivo com os recursos que detém. Uma melhor formação dos jovens e preparação para o mercado faz parte da agenda da produtividade.

A evasão escolar se configura como uma barreira para a melhoria da produtividade. Apenas 43% dos brasileiros acima de 25 anos tem diploma do ensino médio.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Atividade econômica cresce 0,46% em abril]
Economia

Atividade econômica cresce 0,46% em abril

Por Metro1 no dia 15 de Junho de 2018 ⋅ 12:40 em Economia

O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos

[PIB do país pode patinar em 1,3%, diz jornal]
Economia

PIB do país pode patinar em 1,3%, diz jornal

Por Metro1 no dia 11 de Junho de 2018 ⋅ 13:40 em Economia

Segundo o Estadão, a tendência será confirmada caso a trajetória atual das contas do governo permanecer inalterada e nenhuma nova reforma fiscal for aprovada