Economia

Pobreza extrema sobe 11,2% no Brasil

O número de brasileiros em situação de extrema pobreza registrou uma alta de 11,2% entre 2016 e 2017, passando de 13,34 para 14,83 milhões. Com o aumento, a porcentagem de pessoas nessa condição pulou de 6,5% para 7,2% na passagem do ano. [Leia mais...]

[Pobreza extrema sobe 11,2% no Brasil]
Foto : Rovena Rosa/Agência Brasil

Por Marina Hortélio no dia 13 de Abril de 2018 ⋅ 15:32

O número de brasileiros em situação de extrema pobreza registrou uma alta de 11,2% entre 2016 e 2017, passando de 13,34 para 14,83 milhões. Com o aumento, a porcentagem de pessoas nessa condição pulou de 6,5% para 7,2% na passagem do ano. Os dados são de um estudo da LCA Consultores com base nos microdados da Pnad Contínua divulgados ontem (11) pelo IBGE.

É considerada em extrema pobreza a pessoa que tem renda domiciliar per capita de US$ 1,90 por dia ou R$ 136 por mês. “Estamos falando de pessoas que em geral não são alcançadas pelo emprego formal, nas quais o mercado não consegue chegar”, explica Cosmo Donato, economista da LCA. Segundo ele, os dados de pobreza extrema podem ter sofrido um possível efeito da crise fiscal e da queda de dois dígitos do investimento público em 2017.

O Nordeste, apesar de ter sofrido uma alta de 10,8%, acima da média nacional, concentra mais da metade das pessoas em situação de extrema pobreza. O Centro-Oeste foi a região que registrou o maior crescimento do índice no país, de 24%.

Notícias relacionadas

[Comércio varejista cresce 1% em julho, diz IBGE]
Economia

Comércio varejista cresce 1% em julho, diz IBGE

Por Juliana Rodrigues no dia 11 de Setembro de 2019 ⋅ 13:20 em Economia

Segundo dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), sete das oito atividades pesquisadas tiveram alta nas vendas

[Datafolha: 44% acham que desemprego vai piorar]
Economia

Datafolha: 44% acham que desemprego vai piorar

Por Juliana Almirante no dia 07 de Setembro de 2019 ⋅ 19:30 em Economia

Entre os mais pessimistas com a economia estão as mulheres (61%), que estão à frente dos homens (56%)