Economia

Após interferência de Bolsonaro, Petrobras perde R$ 32 bi em valor de mercado

O Ibovespa recuou 1,98%, a 92.875 pontos, oo menor nível desde 27 de março

[Após interferência de Bolsonaro, Petrobras perde R$ 32 bi em valor de mercado]
Foto : Divulgação/Agência Petrobras

Por Kamille Martinho no dia 12 de Abril de 2019 ⋅ 19:00

A Petrobras perdeu R$ 32,4 bilhões em valor de mercado desde que o presidente Jair Bolsonaro impediu o aumento do diesel previsto para hoje (12). Bolsonaro ordenou ao presidente da estatal, Roberto Castello Branco, que revogasse horas depois de a medida ser divulgada, ainda na quinta (11).

A interferência do governo assustou o mercado, que colocou nos preços das ações o receio de que intervenções se tornem a regra, e não a exceção.

As ações cederam ao redor 8%. Os papéis preferenciais (mais negociados) recuaram a R$ 25,83, enquanto os ordinários (com direito a voto) fecharam a 29,13. Os recibos de ações da estatal negociados em Nova York tiveram perdas acima de 9%.

O Ibovespa, principal índice acionário do país, recuou 1,98%, a 92.875 pontos, no menor nível desde 27 de março, quando a preocupação era a reforma da Previdência.

Notícias relacionadas

[Desemprego de longo prazo cresce 42,4%]
Economia

Desemprego de longo prazo cresce 42,4%

Por Catarina Lopes no dia 18 de Junho de 2019 ⋅ 20:00 em Economia

Crescimento ocorreu entre 2015 e 2019; desemprego a longo prazo é o desemprego há mais de dois anos

[Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Odebrecht]
Economia

Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Odebrecht

Por Alexandre Galvão no dia 18 de Junho de 2019 ⋅ 11:49 em Economia

Do total da dívida, R$ 83,6 bilhões seria o valor do passivo sujeito à recuperação, o que tornaria o processo a maior recuperação judicial da história do país, superando...

[Odebrecht formaliza pedido de recuperação judicial]
Economia

Odebrecht formaliza pedido de recuperação judicial

Por Kamille Martinho no dia 17 de Junho de 2019 ⋅ 18:22 em Economia

A companhia informou que o processo envolve R$ 51 bilhões de dívidas passíveis de reestruturação e outros R$ 14,5 bilhões não passíveis