Economia

Governo decide aumentar preço do diesel; caminhoneiros ameaçam greve

Após nova medida do Planalto, custo do combustível chegará a R$ 2,2470 nas distribuidoras a partir desta quinta-feira (18)

[Governo decide aumentar preço do diesel; caminhoneiros ameaçam greve]
Foto : Marcelo Camargo/AgBR

Por Matheus Simoni no dia 17 de Abril de 2019 ⋅ 21:34

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, anunciou hoje (17) uma alta de R$ 0,10 por litro do óleo diesel. A medida contraria o recuo feito pelo próprio governo dias atrás, que havia negado o aumento, através de decisão do presidente Jair Bolsonaro (PSL). No entanto, após nova medida do Planalto, a alta foi confirmada, fazendo o custo do combustível chegar a R$ 2,2470 nas distribuidoras a partir desta quinta-feira (18).

De acordo com o presidente da Petrobras, a alta representa uma variação mínima de 4,5% e máxima 5,1% nos pontos de venda da companhia. O novo preço pegou de surpresa caminhoneiros de todo o país, contrários à medida. “Esse governo está louco”, afirma o caminhoneiro Wanderlei Alves, conhecido como Dedéco, que foi considerado um dos líderes da greve de 2018.

Em entrevista à revista Veja, ele afirmou que dez centavos não é pouco para a categoria, exemplificando o custo de gasta R$ 9 mil em combustível por mês. Com o acréscimo de dez centavos, o custo subirá em R$ 900. Inicialmente, a categoria marcou protestos no dia 21 de maio. No entanto, já existem ameaças de paralisação em todo o país em um prazo de, no máximo, dez dias.

Notícias relacionadas

[Governo bloqueará R$ 3 bilhões do orçamento]
Economia

Governo bloqueará R$ 3 bilhões do orçamento

Por Kamille Martinho no dia 21 de Maio de 2019 ⋅ 19:30 em Economia

Técnicos da equipe econômica estimavam que seria necessário segurar de R$ 5 bilhões a R$ 10 bilhões dos gastos previstos para o ano

[Rival da Uber é processada por investidores]
Economia

Rival da Uber é processada por investidores

Por Leo Sousa no dia 18 de Maio de 2019 ⋅ 18:45 em Economia

Lyft teve desvalorização brusca das ações; acionistas acusam a empresa de fornecer informações enganosas