Economia

Ninguém tem de ficar preocupado com a alta do dólar, diz Paulo Guedes

Ontem, a moeda dos Estados Unidos atingiu a maior cotação desde setembro do ano passado.

[Ninguém tem de ficar preocupado com a alta do dólar, diz Paulo Guedes]
Foto :Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Por Aline Reis no dia 18 de Maio de 2019 ⋅ 12:00

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta sexta-feira (17) que não há motivos para se preocupar com a recente turbulência no mercado financeiro. Nos últimos dias, investidores têm demonstrado preocupação com a capacidade do governo de avançar com a agenda de reformas, em especial as medidas da área fiscal.

Nesta sexta, o dólar chegou a valer R$ 4,1122, maior cotação intradia desde 20 de setembro do ano passado. Já a bolsa de valores fechou abaixo dos 90 mil pontos com perda de 6,6% no mês. 

"Se a bolsa cai ou o dólar sobe um pouco, isso é barulho. Ninguém tem de ficar preocupado", disse Guedes durante participação em evento no Rio de Janeiro. "Tem uma dinâmica mais forte, construtiva e positiva (sendo construída na economia brasileira)."

Notícias relacionadas

[Desemprego de longo prazo cresce 42,4%]
Economia

Desemprego de longo prazo cresce 42,4%

Por Catarina Lopes no dia 18 de Junho de 2019 ⋅ 20:00 em Economia

Crescimento ocorreu entre 2015 e 2019; desemprego a longo prazo é o desemprego há mais de dois anos

[Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Odebrecht]
Economia

Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Odebrecht

Por Alexandre Galvão no dia 18 de Junho de 2019 ⋅ 11:49 em Economia

Do total da dívida, R$ 83,6 bilhões seria o valor do passivo sujeito à recuperação, o que tornaria o processo a maior recuperação judicial da história do país, superando...

[Odebrecht formaliza pedido de recuperação judicial]
Economia

Odebrecht formaliza pedido de recuperação judicial

Por Kamille Martinho no dia 17 de Junho de 2019 ⋅ 18:22 em Economia

A companhia informou que o processo envolve R$ 51 bilhões de dívidas passíveis de reestruturação e outros R$ 14,5 bilhões não passíveis