Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Economia

Na Bahia, oito em cada dez mães solo negras vivem com menos de R$ 413 por mês

Dados constam na pesquisa Desigualdades Sociais por Cor ou Raça Brasil, divulgada hoje pelo IBGE

[Na Bahia, oito em cada dez mães solo negras vivem com menos de R$ 413 por mês]
Foto : Nurphoto via Getty Images

Por Juliana Almirante no dia 13 de Novembro de 2019 ⋅ 13:40

A incidência da pobreza na Bahia é maior entre mulheres negras que vivem sem a presença de cônjuge e com filhos menores de 14 anos. 

Em 2018, quase 8 em cada 10 pessoas que viviam nesse tipo de arranjo familiar estavam abaixo da linha de pobreza. Isso significa que 75,1% das mães solteiras pretas ou pardas e seus filhos tinham menos de R$ 413 por mês. Foram registradas 682 mil pessoas nessa condição. 

Os dados constam na pesquisa Desigualdades Sociais por Cor ou Raça Brasil, divulgada hoje (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As mães solo pretas ou pardas representam um em cada 10 pobres na Bahia (10,8%). Outros 6,1% correspondem à população em geral.

Conforme o IBGE, a vulnerabilidade dessas famílias à pobreza era maior na Bahia que no país como um todo. No Brasil, embora as mães solteiras pretas ou pardas também apresentassem, no ano passado, a maior incidência de pobreza, o percentual nacional (63%) era mais baixo que o baiano (75,1%).

Notícias relacionadas