Economia

‘Alinhamento com EUA é grotesco’ e não foi visto nem na ditadura, diz economista 

Ele citou uma articulação dos Estados Unidos, Japão e Brasil contra a China. A ideia, segundo ele, é uma “humilhação” para o país

[‘Alinhamento com EUA é grotesco’ e não foi visto nem na ditadura, diz economista ]
Foto : Wanezza Soares

Por Alexandre Galvão no dia 12 de Junho de 2020 ⋅ 09:17

Economista, Paulo Nogueira Batista Jr, condenou a aproximação exacerbada do Brasil com os Estados Unidos no mundo diplomático. Em entrevista a Mário Kertész, na Rádio Metrópole, ele classificou a política externa praticada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro como “um desastre”. 

“O ministro [Ernesto Araújo] é um inepto […] Esse alinhamento aos EUA é grotesco. Desde o ano passado, o governo fez concessão unilaterais aos EUA e colheram o quê? Desprezo. Americano não entende país que não se faz respeitar. Eu cansei de ver nas reuniões do FMI a indiferença que os americanos tratavam seus satélites. O Br não era, era ouvido. Hoje o Brasil é visto no mundo, tenha certeza, como uma mistura de preocupação, desprezo”, apontou. Batista Junior é ex-diretor executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) pelo Brasil e ex-vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, estabelecido pelos BRICS em Xangai. 

O economista lembrou ainda que mesmo durante o período da ditadura militar no Brasil, o país manteve certo equilíbrio na diplomacia, excetuando-se dois momentos, nos governos Castelo Branco e Médici. 

“O Brasil é um dos gigantes do mundo. Não pode se comportar como um dos anões incompetentes. Não é atoa que nos comportamos como independente, o único momento de mais alinhamento foi depois de 64, com Castelo Branco e Médici, quando se alinhou aos EUA. Ainda na ditadura o Brasil praticou uma política mais independente. Eu tava em Washington... quando o Brasil tomava posição em todas as questões internacionais... ninguém estranhava que tivéssemos protagonismo. O que se estranha é que o Brasil se afunde, como começou com Temer e agora no governo Bolsonaro”, apontou.

Ele citou uma articulação dos Estados Unidos, Japão e Brasil contra a China. A ideia, segundo ele, é uma “humilhação” para o país. “O ministro das Relações Exteriores está numa articulação com o Japão e os EUA num projeto ‘anti-China’. Vamos nos meter nisso? É coisa de amador. De ideólogo de quinta categoria. O Brasil é um grande país, não pode se alinhar a ninguém. Não pode se alinhar nem aos EUA nem à China. Temos parceria estratégica com a China, que é o BRICS. Quando conseguirmos nos desafazer desse grupo, temos que reconstruir a credibilidade do Brasil. Essa articulação do Brasil com os EUA e Japão é ridícula”, classificou.

O economista Paulo Nogueira Batista Jr mantém um canal no Youtube que pode ser acessado aqui

Veja aqui a entrevista completa:

Notícias relacionadas