Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Sexta-feira, 14 de junho de 2024

Home

/

Notícias

/

Entretenimento

/

Paula Lavigne se pronuncia sobre processo da empregada: 'que a Justiça julgue e decida sobre o caso'

Entretenimento

Paula Lavigne se pronuncia sobre processo da empregada: 'que a Justiça julgue e decida sobre o caso'

Edna, demitida por justa causa sob acusação de furtos, pede R$ 2,6 milhões de indenização

Paula Lavigne se pronuncia sobre processo da empregada: 'que a Justiça julgue e decida sobre o caso'

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Por: Metro1 no dia 27 de maio de 2024 às 12:30

A empresária Paula Lavigne se pronunciou a respeito do escândalo em que está envolvida com a ex-governanta, Edna. Ela demitiu a empregada por justa causa, sob alegação de furtos, e a funcionária entrou na Justiça pedindo valores trabalhistas que alega não ter recebido. Por meio de sua equipe jurídica, Lavigne enviou uma nota para o colunista Guilherme Amado, do portal Metrópoles. O texto inicia assim: "São fatos muito graves, que estão sob investigação policial e, também, são objeto de ações judiciais".

Os advogados de Paula alegam que, por enquanto, a produtora e empresária vai manter sigilo sobre o caso. "Ela não vai expor a ex-funcionária através da mídia com revelações e narrativas que devem ser apresentadas apenas ao judiciário", completa a nota. Ela ainda manifesta "grande tristeza" pela maneira que a parceria profissional de mais de 20 anos se encerrou. "[Paula] prefere deixar que a Justiça julgue e decida sobre o caso", finaliza.

Segundo informações veiculadas pela revista Veja, Edna foi dispensada no último dia 6, depois de 22 anos de serviços prestados a Paula e Caetano Veloso. A funcionária foi demitida por justa causa, acusada de furtar garrafas de bebidas alcoólicas, de se hospedar de forma clandestina em uma casa na Bahia e de usar um carro da empresa do cantor para fins pessoais.

Ainda de acordo com a Veja, o sumiço de uma quantia em dólares foi o ápice do desgaste da relação entre Paula e Edna. A empresária teria aberto uma investigação privada para descobrir quem poderia ter roubado o dinheiro. "Para isso, valeu-se de métodos pouco democráticos e gravíssimos para inquirir funcionários - dentre eles Edna, constante e indevidamente acusada de forma indireta por Paula", diz a defesa da governanta.

Entre os métodos, Paula teria confiscado o telefone celular de Edna, acessado conversas pessoais e feito backup de dados privados da funcionária.

A defesa da empregada nega que ela tenha sido a responsável pelos furtos e afirma que Edna viveu uma série de abusos no tempo em que trabalhou com Paula. "Edna é, na verdade, vítima de Paula Lavigne. Durante os 22 anos em que trabalhou na residência do casal, Edna foi submetida a um padrão sistemático de abusos psicológicos e morais, fatos que ainda serão levados ao conhecimento do Judiciário Trabalhista em momento oportuno", destacaram os advogados Christiano Mourão, Gabriella Ventura e Claudio Virgulino.