Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Sexta-feira, 12 de julho de 2024

Home

/

Notícias

/

Esportes

/

Torcedores que insultaram Vini Jr. são primeiros condenados por racismo na Espanha

Esportes

Torcedores que insultaram Vini Jr. são primeiros condenados por racismo na Espanha

O presidente da LaLiga comemorou a decisão nas redes sociais

Torcedores que insultaram Vini Jr. são primeiros condenados por racismo na Espanha

Foto: Reprodução Redes Sociais/ Real Madrid

Por: Metro1 no dia 10 de junho de 2024 às 09:48

Atualizado: no dia 10 de junho de 2024 às 12:50

A LaLiga, liga espanhola de futebol, anunciou na manhã desta segunda-feira (10) que três torcedores do Valencia que proferiram ofensas racistas contra o jogador Vini Jr. foram condenados. A pena determinou oito meses de prisão, dois anos de banimento dos estádios de futebol em jogos organizados pela Federação Espanhola de Futebol e pagamentos dos custos do processo aos réus. Esta é a primeira condenação deste tipo proferida na Espanha.

O jogador brasileiro denunciou ter sido alvo de insultos racistas na partida do Real Madrid contra o Valencia em 21 de maio do ano passado. A partida chegou a ser paralisada. Após uma denuncia formal da La Liga, os torcedores foram identificados com imagens de câmeras de segurança do estádio.

Inicialmente, os réus tinham sido condenados a 12 meses de prisão, entretanto a pena foi reduzida após um acordo na fase de investigação preliminar. Antes da condenação, segundo um jornal espanhol, os acusados escreveram uma carta em que pediam desculpas a Vini Jr, à liga espanhola e ao Real Madrid.  

O presidente da LaLiga, Javier Tebas, celebrou a decisão por meio das redes sociais. "Esta sentença é uma ótima notícia para a luta contra o racismo na Espanha, pois repara os danos sofridos por Vinicius Junior e envia uma mensagem clara para aquelas pessoas que vão a um estádio de futebol para insultar que a LaLiga irá detectá-los, denunciá-los e haverá consequências criminais", comemorou.

O trio foi considerado culpados por ferir  a integridade moral com circunstância agravante de discriminação por motivos racistas. A defesa ainda não informou se vai recorrer da sentença.