Esportes

Afundado em crise, Ypiranga desiste de jogar a Série B do Campeonato Baiano

O centenário Esporte Clube Ypiranga abriu mão de disputar a Série B do Campeonato Baiano 2017 por conta de uma crise que envolveu todos os setores do clube. Apelidado de 'O Mais Querido', o time de 111 anos alegou o descumprimento de uma série de investimentos prometidos para a gestão do futebol deste ano.[Leia mais...]

[Afundado em crise, Ypiranga desiste de jogar a Série B do Campeonato Baiano]
Foto : Reprodução/Facebook

Por Matheus Simoni no dia 17 de Abril de 2017 ⋅ 15:47

O centenário Esporte Clube Ypiranga abriu mão de disputar a Série B do Campeonato Baiano 2017 por conta de uma crise que envolveu todos os setores do clube. Apelidado de 'O Mais Querido', o time de 111 anos alegou o descumprimento de uma série de investimentos prometidos para a gestão do futebol deste ano. Em nota divulgada no site oficial do clube, o Ypiranga alegou que se reuniu com um representante legal do suposto investidor identificado como Carlos de Castro Zamponi, sócio de outras empresas com sede no estado do Rio de Janeiro.

Durante o encontro, foi discutido um projeto de parceria na gestão do departamento de futebol do clube, o que viabilizaria a participação do Ypiranga nesta edição do torneio estadual. No entanto, segundo a nota, os investimentos, que foram considerados como 'parcos', acabaram interrompidos.

'O registro da empresa não foi viabilizado, ficando o ESPORTE CLUBE YPIRANGA obrigado e responsabilizado por tudo, sem a necessária segurança jurídica. Os salários de funcionários, jogadores e membros da comissão técnica não foram honrados. O pagamento de fornecedores e outros compromissos descumpridos, inclusive com a emissão de vários cheques sem provisão de fundos, caracterizando, indubitavelmente, uma situação de possíveis práticas ilícitas e irregularidades, não admitidas ou coonestadas pela Diretoria Executiva e o próprio Conselho Deliberativo', afirmou o Ypiranga, ressaltando que a interrupção dos investimentos motivou a 'suspensão da relação e a necessidade de adoção de medidas judiciais e administrativas que o caso exige e que já estão sendo providenciadas, inclusive na esfera da Justiça Pública'.

A estreia do Mais Querido na competição estava marcado para a próxima quarta-feira (19), no estádio de Pituaçu, contra o Teixeira de Freitas. Confira a nota na íntegra:

O ESPORTE CLUBE YPIRANGA, entidade esportiva e social centenária, diante da decisão tomada pela Diretoria Executiva, com o aval do Conselho Deliberativo, de não participar do Campeonato Baiano da Série B do ano de 2017, vem a público, em respeito à comunidade desportiva e torcedores, esclarecer as motivações que impuseram essa difícil, porém necessária deliberação.

Em função dos investimentos e da responsabilidade com os compromissos assumidos, o Clube foi obrigado a repensar o futebol profissional e paralisar o respectivo departamento, a partir de setembro de 2016. Ocorre que o ESPORTE CLUBE YPIRANGA foi procurado em dezembro de 2016 pelo Sr. JOÃO VICENTE DA SILVA, que à época se apresentou como representante legal do Sr. CARLOS DE CASTRO ZAMPONI, suposto ‘investidor’ e sócio de outras empresas com sede no estado do Rio de Janeiro, que seria, por sua vez, representado contratualmente pela esposa do Sr. JOÃO VICENTE DA SILVA, a Sra. ANA PAULA PEREIRA ABDALA DIB. A proposta era de projeto de parceria na gestão do departamento de futebol do clube, o que viabilizaria a participação do YPIRANGA nesta edição do Campeonato Baiano da Série B 2017, assegurando os investimentos no time profissional e nas categorias de base, além de todos os recursos necessários para a logística, custeio de passagens e hospedagens, alimentação, contratação de equipe técnica, física, médica, atletas, etc.

A proposta foi submetida ao Conselho do clube e o “acordo” apalavrado, todavia depedente da criação de uma empresa de capital fechado, com prazo para registro e cronograma de investimentos estipulados previamente, que não foram cumpridos.

Após o início do cronograma, os parcos investimentos foram interrompidos. O registro da empresa não foi viabilizado, ficando o ESPORTE CLUBE YPIRANGA obrigado e responsabilizado por tudo, sem a necessária segurança jurídica. Os salários de funcionários, jogadores e membros da comissão técnica não foram honrados. O pagamento de fornecedores e outros compromissos descumpridos, inclusive com a emissão de vários cheques sem provisão de fundos, caracterizando, indubitavelmente, uma situação de possíveis práticas ilícitas e irregularidades, não admitidas ou coonestadas pela Diretoria Executiva e o próprio Conselho Deliberativo. Isso motivou a suspensão da relação e a necessidade de adoção de medidas judiciais e administrativas que o caso exige e que já estão sendo providenciadas, inclusive na esfera da Justiça Pública.

Ante a gravidade da situação, ficou totalmente inviabilizada a participação do clube na competição profissional, até porque há riscos graves à sua imagem, patrimônio e finanças. A medida, tomada com muito pesar, visa principalmente a preservação da própria competição profissional e foi adotada também em respeito aos demais Clubes coirmãos que dela participarão e da entidade organizadora do evento (FBF), além de todos os envolvidos no esporte, inclusive torcedores e imprensa.

O ESPORTE CLUBE YPIRANGA repete que adotará todas as medidas judiciais necessárias para ressarcimento dos prejuízos materiais e morais decorrentes do fato, contando com a compreensão da comunidade desportiva e certo que de haverá de superar esse difícil momento.

Salvador, 17 de abril de 2017.

A DIRETORIA EXECUTIVA DO ESPORTE CLUBE YPIRANGA

Notícias relacionadas