Esportes

STF revoga pedido de liberdade e goleiro Bruno voltará à prisão

A maioria da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) votou nesta terça-feira (25) pela revogação da liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio Mello ao goleiro Bruno Fernandes de Souza, que estava em liberdade provisória há cerca de um mês. [Leia mais...]

[STF revoga pedido de liberdade e goleiro Bruno voltará à prisão]
Foto : Divulgação/Boa Esporte

Por Matheus Simoni no dia 25 de Abril de 2017 ⋅ 15:34

A maioria da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) votou nesta terça-feira (25) pela revogação da liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio Mello ao goleiro Bruno Fernandes de Souza, que estava em liberdade provisória há cerca de um mês.

A Corte determinou o retorno à prisão do atleta, condenado a 22 anos e 3 meses como mandante do assassinato da modelo Eliza Samudio. A decisão foi tomada depois de um pedido ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que avaliou em um parecer enviado ao Supremo que Bruno deve ser mantido na cadeia enquanto o Tribunal de Justiça de Minas Gerais não julgar seu recurso, que tramita há cerca de quatro anos.

De acordo com Janot, a demora para o julgamento em definitivo da sentença do goleiro está relacionada a uma estratégia adotada pela defesa do atleta, que tenta arrastar o processo com a interposição de diversos recursos. Segundo Lúcio Adolfo, advogado de Bruno, todos os prazos processuais foram cumpridos, atribuindo o atraso ao próprio Ministério Público Federal (MPF) e à complexidade do caso, que envolve outros seis réus.

Com a revogação do habeas corpus pelo STF, um novo mandado de prisão contra Bruno deve ser expedido nos próximos dias. Adolfo diz que o goleiro irá se apresentar à Justiça, embora discorde da decisão do Supremo. 'Não há motivos para prender o Bruno novamente. Ele está trabalhando de forma honesta, jogando sem problemas e não faz mal a ninguém. Quando ele estava preso, levaram quatro anos sem analisar o recurso, mas, depois que foi solto, resolveram acelerar as coisas', afirma o advogado do goleiro do Boa Esporte, de Minas Gerais.

Notícias relacionadas