Esportes

Vendendo a R$ 249, Bahia só arrecada R$ 11 por camisa

Candidato à presidência do Esporte Clube Bahia, Guilherme Bellintani ressaltou a importância de existir uma renegociação dos contratos do clube caso ele seja eleito como dirigente do clube. Em entrevista à Rádio Metrópole nesta segunda-feira (6), durante o Jornal da Cidade 2ª Edição, o ex-secretário municipal falou em estipular novos preços para camisas oficiais do clube. [Leia mais...]

[Vendendo a R$ 249, Bahia só arrecada R$ 11 por camisa]
Foto : Divulgação/ECB

Por Matheus Simoni e Luiza Leão no dia 06 de Novembro de 2017 ⋅ 18:43

Candidato à presidência do Esporte Clube Bahia, Guilherme Bellintani ressaltou a importância de existir uma renegociação dos contratos do clube caso ele seja eleito como dirigente do clube. Em entrevista à Rádio Metrópole nesta segunda-feira (6), durante o Jornal da Cidade 2ª Edição, o ex-secretário municipal falou em estipular novos preços para camisas oficiais do clube. Para ele, o ideal é ter quatro preços de camisas oficiais, com o menor valor de R$ 49,90 e maior de R$ 199,90.

"É uma camisa cara, é excludente. Não é possível que isso seja um tesouro na vida do torcedor comprar uma camisa do Bahia. Aí ele vai e compra a pirata. E depois punem o pirata. Não é possível isso. A gente não vai assumir o Bahia para manter um erro. O torcedor gastar R$ 249 reais para camisa e só R$ 11 irem para o Bahia? A gente está aqui para romper modelos", disse Bellintani, ressaltando que não é necessário um rompimento com a Umbro. "É possível prever que o Bahia fature R$ 24 milhões, por exemplo, com a sua venda de camisas, por ano e venha menos de 1 milhão de royalties por ano? O Bahia precisa se impor como marca. Assim como é importante para a Umbro, é importante para o Bahia", declarou.

Ainda segundo o pré-candidato, é necessário voltar a discutir a forma de captar renda para o Bahia. "Não dá para a gente achar que o assunto está incomodando não deve ser discutido. Não vamos romper o contrato, não é isso. Mas ninguém compra jogador, ninguém paga salário com glamour", decretou.

Notícias relacionadas