Esportes

Ex-presidente do Bahia nega que dívida de R$ 21,5 milhões foi originada na sua gestão

De acordo com o ex-mandatário tricolor, "a responsabilidade do pagamento das dívidas é do clube, ou seja, a gestão pós intervenção deveria ter honrado com os pagamentos de forma parcelada do referido débito, sendo certo que a ação judicial movida pela Ingresso fácil no ano de 2014 só demonstra claramente que os gestores não foram eficientes em obstaculizar essa demanda judicial"

[Ex-presidente do Bahia nega que dívida de R$ 21,5 milhões foi originada na sua gestão]
Foto : Reprodução

Por Metro1 no dia 13 de Maio de 2020 ⋅ 17:40

O ex-presidente do Bahia Marcelo Guimarães Filho negou que a dívida de uma ação no valor de cerca de R$ 21,5 milhões – em números atualizados – movida pela empresa Ingresso Fácil, do grupo BWA, foi originada na sua gestão.

"Isso porque, quando assumi a presidência do Esporte Clube Bahia, a dívida com a empresa Ingresso Fácil já existia, pois a mesma era gestora dos ingressos comercializados dos jogos do time desde, por volta de 2002. Já encontrei a dívida e como tantas outras, apenas autorizei que fosse firmado um acordo financeiro para liquidar a mesma e evitar uma demanda judicial pois, inclusive, a referida ainda prestava serviços para o clube", disse.

De acordo com o ex-mandatário tricolor, "a responsabilidade do pagamento das dívidas é do clube, ou seja, a gestão pós intervenção deveria ter honrado com os pagamentos de forma parcelada do referido débito, sendo certo que a ação judicial movida pela Ingresso fácil no ano de 2014 só demonstra claramente que os gestores não foram eficientes em obstaculizar essa demanda judicial".  

Ao longo de 2019 já houve bloqueio de cerca de R$ 3 milhões e agora a Justiça determinou novos até chegar ao valor de R$ 18,3 milhões. Mas estas sentenças não são definitivas e cabem recurso.

Confira a nota na íntegra:

Lamentável a acusação equivocada dos gestores pós intervenção teratológica do Esporte Clube Bahia pela dívida contraída pelo clube que - é bom esclarecer - não foi originada na minha gestão. 

Isso porque, quando assumi a presidência do Esporte Clube Bahia, a dívida com a empresa Ingresso Fácil já existia, pois a mesma era gestora dos ingressos comercializados dos jogos do time desde, por volta de 2002. Já encontrei a dívida e como tantas outras, apenas autorizei que fosse firmado um acordo financeiro para liquidar a mesma e evitar uma demanda judicial pois, inclusive, a referida ainda prestava serviços para o clube. 

A responsabilidade do pagamento das dívidas é do clube, ou seja, a gestão pós intervenção deveria ter honrado com os pagamentos de forma parcelada do referido débito, sendo certo que a ação judicial movida pela Ingresso fácil no ano de 2014 só demonstra claramente que os gestores não foram eficientes em obstaculizar essa demanda judicial. 

Pior! Com a falta de gestão e consequentemente a demanda judicial, o valor antes negociado que deveria ser liquidado de forma parcelada, PASMEM, QUADRIPLICOU ! Tempos sombrios dessa nova gestão que vive de marketing para esconder a fraca administração.

Notícias relacionadas