Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Justiça

Governo pede encerramento de ação que pede provas de fraude nas eleições de 2018

Ainda não foi apresentada nenhuma evidência sobre a denúncia feita por Bolsonaro

[Governo pede encerramento de ação que pede provas de fraude nas eleições de 2018]
Foto : Isac Nóbrega/PR

Por Adele Robichez no dia 05 de Fevereiro de 2021 ⋅ 09:20

Após acusações do presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) sobre supostas fraudes nas eleições de 2018, a Justiça Federal de São Paulo solicitou provas que indiquem inconsistências no sistema eletrônico de votação no país. Hoje (4), a Advocacia Geral da União (AGU), que defende judicialmente os interesses do governo federal, pediu o trancamento do processo sem a análise do mérito.

A ação foi pedida pela Associação Livres, com dissidentes do PSL, antigo partido do presidente. “Como há muito tempo Jair Bolsonaro faz tais declarações e não apresenta prova alguma, apenas por meio do Poder Judiciário é que se pode responder duas perguntas advindas da referida afirmação: Houve fraude eleitoral em 2018? Onde estão as provas?”, questionou.

Ainda não foi apresentada nenhuma evidência sobre a denúncia feita por Bolsonaro. A justificativa dada para o encerramento do processo foi que associação não tem legitimidade para propor a ação civil pública e que já existe outro em curso, da 4ª Vara Federal do Ceará, sobre o mesmo tema. A lei não permite ações com o mesmo objeto para não correr o risco de serem encerradas com decisões divergentes.

Anteriormente, após a invasão de apoiadores do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ao Congresso americano para impedir a legitimação do resultado das eleições no país, Bolsonaro menosprezou o sistema eleitoral brasileiro e a reivindicou a vinda do voto impresso, como nos EUA.

“Se nós não tivermos o voto impresso em 2022, uma maneira de auditar o voto, vamos ter um problema pior que os Estados Unidos”, declarou no dia 7 de janeiro.

Notícias relacionadas