Quinta-feira, 20 de janeiro de 2022

Justiça

Justiça tem 20 dias para decidir se médico que matou colega de profissão vai a Júri

Geraldo Júnior (esq) passou pela primeira audiência de instrução seis meses após matar Andrade (dir)

Justiça tem 20 dias para decidir se médico que matou colega de profissão vai a Júri

Foto: Montagem / Reprodução Redes Sociais

Por: Metro1 no dia 27 de novembro de 2021 às 15:00

Seis meses após o cirme, o médico Geraldo Freitas Junior, 32 anos, investigado por matar o colega Andrade Lopes Santana, 32, passou pela primeira audiência de instrução. Ele foi ouvido pela juíza e voltou a afimrar que atirou acidentalmente na vítima.

A Justiça agora tem 20 dias para decidir se Geraldo Júnior vai a júri popular. Essa etapa do processo acontece antes de eventuais julgamentos. Dez testemunhas de acusação e de defesa foram ouvidas na audiência que durou 10 horas e acabou por volta das 20h, segundo a TV Bahia.

A juíza responsável pelo caso aguarda agora as alegações do Ministério Público e da defesa do acusado para decidir sobre o júri. 

Andrade tinha ido a Feira de Santana resolver problemas pessoais e depois aceitou um convite para passear de moto aquática com Geraldo Júnior. No dia da prisão, Geraldo ficou em silêncio, mas seis dias depois pediu para prestar um novo depoimento, quando confessou o crime. 

Na época, o delegado informou que o assassino confesso apontou como motivo do crime um sonho profético que um parente dele teve informando que ele seria morto naquele dia. Conforme relato de Geraldo Júnior, a desconfiança de que o amigo Andrade poderia matá-lo surgiu quando Júnior viu uma troca de mensagens, no celular de Andrade, com um desafeto dele.

“Ele (Geraldo) mandou Andrade dirigir a moto aquática e exigiu que o amigo entregasse o celular. Como Andrade não entregou, ele colocou a arma na cabeça da vítima ameaçando e depois fez o disparo”, relatou o delegado à época.

O corpo de Andrade foi encontrado amarrado a uma corda com uma âncora no Rio Jacuípe. Sobre essa situação, 'Doutor Júnior' relatou ao delegado que, após atirar em Andrade e ele cair na água, tentou dar socorro amarrando o amigo numa corda e puxá-lo com a moto aquática, mas o corpo teria se soltado e acabou afundando. 

No dia 09 de junho, o advogado Guga Leal tentou explicar melhor qual seria o teor do depoimento do seu cliente. O defensor afirmou que o tiro foi acidental depois de um desentendimento entre eles por causa das mensagens no celular da vítima com um desafeto de Geraldo. 

Conforme Guga Leal, na conversa, havia perguntas do desafeto de Geraldo sobre onde ele andava, sobre os momentos que ficava desarmado. 

“Eles foram andar de Jet Ski e Geraldo ameaçou a vítima com a arma em punho para entregar o celular. Quando Andrade tirou a mão do acelerador, o Jet Ski deu uma espécie de tombo e a arma disparou acidentalmente”, relatou o advogado na ocasião. 

Justiça tem 20 dias para decidir se médico que matou colega de profissão vai a Júri - Metro 1