Quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Mundo

Cinco ministros entregam os cargos e abalam governo argentino

Coalizão de Alberto Fernández (foto) ficou atrás da oposição nas primárias e elevou a pressão por mudanças

Cinco ministros entregam os cargos e abalam governo argentino

Foto: Divulgação Media Banco Agencia

Por: Metro1 no dia 15 de setembro de 2021 às 21:00

Cinco ministros apresentaram nesta quarta-feira, 15, suas cartas de renúncias ao presidente da Argentina, Alberto Fernández. O chefe do executivo ainda deve decidir se aceita as saídas, após o forte revés eleitoral nas primárias legislativas, que resultou em uma crise política dentro da aliança de centro-esquerda.

Segundo a agência AFP, o ministro do Interior, Wado de Pedro, foi o primeiro a oferecer sua renúncia. Em seguida, foi seguido pelos titulares das pastas da Justiça, Martín Soria; da Ciência, Roberto Salvarezza; do Meio Ambiente, Juan Cabandié; e Cultura, Tristán Bauer, considerado próximo da vice-presidente Cristina Kirchner.

Fernández, reunido na sede do governo com seus funcionários mais próximos, ainda não anunciou sua decisão.

“Ouvindo suas palavras na noite de domingo, onde levantou a necessidade de interpretar o veredito expresso pelo povo argentino, considerei que a melhor forma de colaborar com esta tarefa é colocando minha demissão à sua disposição”, escreveu De Pedro no carta que apresentou Fernández.

No domingo, 12, nas primárias para eleger candidatos para as legislaturas de meio de mandato, a coalizão governista Frente de Todos (peronismo de centro-esquerda) obteve menos de 31% dos votos em todo o país, revelando uma rejeição do eleitorado muito maior do que imaginavam os líderes políticos e as pesquisas.

A coalizão de centro-direita Juntos, do ex-presidente Mauricio Macri (2015-2019), obteve 40% dos votos em nível nacional e levou cinco pontos de vantagem sobre o partido no poder na província da capital Buenos Aires, tradicional reduto peronista.

Como o voto na Argentina é obrigatório, as primárias se tornam uma espécie de pesquisa em grande escala. Nesse caso, o resultado faz com que o governo tema perder a maioria no Senado e impossibilita sua consolidação na Câmara dos Deputados quando, em 14 de novembro, terão eleições para uma renovação parcial do Congresso.

Pobreza e FMI - Fernández, sem força política própria, assumiu o cargo em dezembro de 2019 com uma chapa promovida pela ex-presidente Cristina Kirchner (2007-2015), agora vice-presidente.

Durante sua gestão, Fernández teve que enfrentar a pandemia de covid-19 e o aprofundamento da crise econômica que deixou quase metade da população na pobreza.

Com a popularidade em declínio, Kirchner tem criticado no último ano a gestão de Fernández, revelando divergências internas e até referindo-se a "funcionários que não trabalham".

A Argentina acumula até agosto um aumento da inflação de mais de 30%, entre as mais altas do mundo, e um índice de pobreza de 42%, em meio a uma recessão que dura desde 2018.

Cinco ministros entregam os cargos e abalam governo argentino - Metro 1