Mundo

Casal acusado de 'sequestrar' o próprio neto pode ficar preso nos EUA por até três anos

Caso foi mostrado no Fantástico deste domingo; repórter Renata Ceribelli conversou com os pais da criança

[Casal acusado de 'sequestrar' o próprio neto pode ficar preso nos EUA por até três anos]
Foto : Reprodução / TV Globo

Por Juliana Rodrigues no dia 17 de Setembro de 2018 ⋅ 12:20

A batalha judicial internacional entre a brasileira Marcelle Guimarães e o americano Chris Brann pela guarda do filho, que levou à prisão dos avós maternos da criança, Carlos e Jemima Guimarães, foi destaque em uma reportagem do programa Fantástico, da Rede Globo, na noite de ontem (16). A repórter Renata Ceribelli conversou com os pais de Nicolas, que deram diferentes versões sobre o caso. 

O casal se conheceu em 2005 e o casamento aconteceu em 2008. Marcelle relata que decidiu se separar de Chris em 2012, após sofrer agressões e ameaças. De acordo com ela, o ex-marido teria chegado a empurrá-la da escada na época em que ela estava grávida.

Chris negou tê-la agredido durante a gestação, mas admite que havia problemas no relacionamento. "Eu concordo que a gente tinha uma relação muito difícil, mas de violência, como as pessoas pensam, não foi assim", afirmou. Ele assume ter batido em Marcelle apenas uma vez, mas alega que foi para se defender após ela ter machucado suas partes íntimas.

Em 2013, Marcelle pediu permissão à Justiça americana para trazer Nico ao Brasil, a fim de assistir ao casamento do irmão dela, em Salvador. Ela disse que a ideia de não voltar para os Estados Unidos não foi premeditada e que sabia dos riscos de ser acusada de sequestro internacional. De acordo com Marcelle, a presença de Chris era uma ameaça à integridade da criança. "Eu tinha muito medo do Nico com ele. Muito medo, porque ele tem compulsão sexual, ele via coisas na frente do Nico, pornografia no computador, na televisão", justifica. Chris nega as acusações.

Poucos dias após chegar ao Brasil, Marcelle conseguiu a guarda do menino na Justiça. Logo as denúncias de Chris se estenderam aos pais da ex-mulher. No início deste ano, Carlos e Jemima Guimarães foram presos sob a acusação de serem cúmplices da filha em um plano para trazer Nicolas ao Brasil e não voltar para os EUA. De acordo com os advogados de Chris, Carlos teria ajudado ao comprar passagens para fingir que a filha voltaria ao Texas. A mãe, Jemima, matriculou Nico na escola da qual ela é sócia em Salvador, antes mesmo de a filha chegar ao Brasil com o neto. 

Eles ficaram presos por 40 dias, pagaram cerca de R$ 9 milhões de fiança e foram transferidos para a prisão domiciliar na casa do filho, no Texas. A sentença definitiva, que pode ser de até três anos de detenção em regime fechado, sai em outubro.

Notícias relacionadas