Mundo

Número de mortes por Covid-19 na França foi maior entre imigrantes

No geral, aumento de mortes em relação a 2019 foi de 22% para nascidos na França e 48% para pessoas do exterior, principalmente da África e Ásia

[Número de mortes por Covid-19 na França foi maior entre imigrantes]
Foto : Pixabay

Por Danielle Campos no dia 07 de Julho de 2020 ⋅ 12:20

Um relatório publicado nesta terça-feira (7) pelo Instituto Nacional de Estatística e Estudos Econômicos (Insee) aponta que o registro de mortes por Covid-19 na França nos meses de março e abril foi mais acentuado entre as pessoas nascidas em outros países, principalmente na África e na Ásia.

De acordo com os dados, o número de mortes nesse período foi globalmente 25% maior do que o registrado nos mesmos meses, em 2019. Entretanto, enquanto o aumento em relação ao ano passado foi de 22% para os nascidos na França, o crescimento foi de 48% para pessoas do exterior. 

Para os nascidos nos países do Magrebe, o aumento foi de 54%, e 114% para os do resto da África. Já entre as pessoas nascidas na Ásia, ocorreu uma elevação de 91% no número de mortes. O Insee atribui esse aumento, entre outros fatores, às condições de vida dessas pessoas em termos de moradia, profissões que exercem, além do uso de transporte público.

As estatísticas ainda revelam que houve moderação no registro de mortes de pessoas da Espanha, Itália e Portugal (26%), para pessoas do resto da Europa (27%), e para pessoas do continente americano e Oceania (25%).

Notícias relacionadas

[Beirute: explosão abriu cratera de 43 metros de profundidade]
Mundo

Beirute: explosão abriu cratera de 43 metros de profundidade

Por Kamille Martinho no dia 09 de Agosto de 2020 ⋅ 14:00 em Mundo

A explosão que aconteceu na última terça-feira (4) deixou mais de 300.000 pessoas desabrigadas e causando mais de 150 mortes e 6.000 feridos, além de dezenas de desaparec...

[Mortes por explosão em Beirute sobem para 154]
Mundo

Mortes por explosão em Beirute sobem para 154

Por Kamille Martinho no dia 07 de Agosto de 2020 ⋅ 16:40 em Mundo

O ministro Hamad Hasan disse que uma em cada cinco, das 5 mil pessoas feridas na explosão de terça-feira (4), precisou de hospitalização e 120 estavam em estado crítico