Domingo, 26 de setembro de 2021

Política

Mais de um mês após eleição nos EUA, Bolsonaro reconhece vitória de Biden

Colégio Eleitoral confirmou a vitória de Biden nas eleições dos Estados Unidos na última segunda-feira

Mais de um mês após eleição nos EUA, Bolsonaro reconhece vitória de Biden

Foto: Alan Santos/PR

Por: Geovana Oliveira no dia 15 de dezembro de 2020 às 18:00

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reconheceu hoje (15) a vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais dos Estados Unidos, mais de um mês após o democrata ser declarado vencedor pelas projeções da imprensa local e do reconhecimento de líderes de todo o mundo. 

"Saudações ao presidente Joe Biden, com meus melhores votos e a esperança de que os EUA sigam sendo 'a terra dos livres e o lar dos corajosos'", escreveu Bolsonaro em uma rede social, citando um trecho do hino norte-americano.

"Estarei pronto a trabalhar com o novo governo e dar continuidade à construção de uma aliança Brasil-EUA, na defesa da soberania, da democracia e da liberdade em todo o mundo, assim como na integração econômico-comercial em benefício dos nossos povos", completou o presidente. 

Ontem (14), o Colégio Eleitoral confirmou a vitória de Biden nas eleições dos Estados Unidos, em mais uma etapa do sistema eleitoral americano, que ainda depende de uma contagem de votos no Congresso, prevista para o dia 6 de janeiro.

Mais cedo, o vice-presidente Hamilton Mourão havia afirmado não saber os motivos do governo brasileiro ainda não ter reconhecido a vitória de Joe Biden. Questionado sobre o assunto no início da tarde, ao deixar o Palácio do Planalto, Mourão limitou-se a responder "Não sei".

Além de Bolsonaro, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, também esteve entre os poucos líderes que esperaram o voto do colégio eleitoral norte-americano a favor de Biden para parabenizá-lo nesta terça. Agora o único líder de expressão que ainda não cumprimentou o democrata é o presidente norte-coreano Kim Jong-un.

Mais de um mês após eleição nos EUA, Bolsonaro reconhece vitória de Biden - Metro 1