Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Sexta-feira, 12 de julho de 2024

Home

/

Notícias

/

Política

/

Após morte de jovem vítima de fake news, Silvio Almeida diz que regulação das redes é "imperativo civilizatório"

Política

Após morte de jovem vítima de fake news, Silvio Almeida diz que regulação das redes é "imperativo civilizatório"

Projeto que prevê regulação das big techs encontra forte resistência da oposição no Congresso

Após morte de jovem vítima de fake news, Silvio Almeida diz que regulação das redes é "imperativo civilizatório"

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Por: Metro1 no dia 24 de dezembro de 2023 às 13:30

Atualizado: no dia 26 de dezembro de 2023 às 15:06

O ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, defendeu as regulamentação das redes sociais, neste domingo (24), ao comentar o caso do suicídio de uma jovem que foi alvo de fake news.

Silvio citou a necessidade de responsabilização tanto de quem propaga conteúdos falsos, como das empresas responsáveis pelas redes sociais. "A regulação das redes sociais torna-se um imperativo civilizatório", afirmou.

A estudante Jéssica Vitoria, 22, tornou-se vítima de fake news quando prints de uma conversa falsa com o humorista Whindersson Nunes foram divulgados por perfis de fofoca nas redes sociais. Ambos negaram a autenticidade das conversas, mas a exposição resultou em uma enxurrada de comentários negativos direcionados a Jéssica.

Antes de morrer, Jéssica publicou um texto afirmando que, por causa das fake news, estava sofrendo ataques pela internet. A família dela informou que ela já sofria de depressão.

"A irresponsabilidade das empresas que regem as redes sociais diante de conteúdos que outros irresponsáveis e mesmo criminosos (alguns envolvidos na política institucional) nela propagam tem destruído famílias e impossibilitado uma vida social minimamente saudável", escreveu o ministro.

"Por isso, volto ao ponto: a regulação das redes sociais torna-se um imperativo civilizatório, sem o qual não há falar-se em democracia ou mesmo em dignidade. O resto é aposta no caos, na morte e na monetização do sofrimento", concluiu.

Ao citar o caso da jovem, o ministro dos Direitos Humanos republicou um post feito pelo relator do projeto de lei das fake news, deputado Orlando Silva (PCdoB), em análise na Câmara dos Deputados. O projeto chegou a ter a urgência aprovada no primeiro semestre do ano, e prevê a regulação das big techs, mas encontra forte resistência de setores e da oposição no Congresso, que alega que o texto seria uma espécie de censura ao conteúdo publicado em redes sociais.