Política

Salvador deve aplicar parceria público-privada do lixo, defende Suíca

A questão do lixo voltou a ser pauta de discussão na Câmara de Vereadores de Salvador nessa sexta-feira (10). Para o líder da oposição na Câmara de Salvador, Luiz Carlos Suíca (PT), a Casa precisa aplicar parceria público-privada do lixo e ampliar a questão do descarte correto. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação/Agecom

Por Bárbara Silveira no dia 10 de Julho de 2015 ⋅ 15:54

A questão do lixo voltou a ser pauta de discussão na Câmara de Vereadores de Salvador nessa sexta-feira (10). Para o líder da oposição na Câmara, Luiz Carlos Suíca (PT), a Casa precisa aplicar parceria público-privada do lixo e ampliar a questão do descarte correto.

“Quando é para falar da vida útil do aterro sanitário, equipamentos e melhor condição de trabalho para os garis, isso ninguém trata. O que deve acontecer é a prefeitura de Salvador aplicar a ‘PPP do Lixo’ [parceria público privado]. Essa lei foi aprovada pela Câmara e sancionada pelo então prefeito João Henrique, quando alguns membros dos partidos de base fizeram parte essa desastrosa administração”, disse.

Segundo o edil,  só com a aplicação da PPP a coleta terá o planejamento e financiamento desejados. “Depois de fazer parte de um governo que foi ruim para Salvador, vir falar agora, e cobrar algo para fazer espuma, isso é covardia”, disse.

Notícias relacionadas

[Bolsonaro mira artilharia contra Doria e Mandetta no WhatsApp]
PolíticaCORONAVÍRUS

Bolsonaro mira artilharia contra Doria e Mandetta no WhatsApp

Por Matheus Simoni no dia 06 de Abril de 2020 ⋅ 09:19 em Política

'Frenético', presidente passou a compartilhar diversos áudios, vídeos e memes críticos ou irônicos em relação ao ministro e ao governador de São Paulo

[Maia diz que Bolsonaro não tem coragem de demitir Mandetta ]
Política

Maia diz que Bolsonaro não tem coragem de demitir Mandetta

Por Luciana Freire no dia 03 de Abril de 2020 ⋅ 19:00 em Política

Para o presidente da Câmara uma eventual troca mudaria a política do Ministério da Saúde e significaria que Bolsonaro não acredita no que o ministro está fazendo