Política

Presidente da Câmara suspende sessão que vai votar cassação de Cunha

O presidente da Câmara dos Deputado, Rodrigo Maia (DEM-RJ), decidiu suspender por uma hora a sessão que votaria a cassação do mandato de deputado de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) nesta segunda-feira (12). O democrata afirmou que ela só teria início com quórum adequado. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Flávio Soares/Agência Câmara

Por Matheus Simoni no dia 12 de Setembro de 2016 ⋅ 19:24

O presidente da Câmara dos Deputado, Rodrigo Maia (DEM-RJ), decidiu suspender por uma hora a sessão que votaria a cassação do mandato de deputado de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) nesta segunda-feira (12). O democrata afirmou que ela só teria início com quórum adequado.

Os parlamentares contrários a Cunha pediram que a sessão só fosse aberta com uma quantidade suficiente de deputados para votar o parecer. Em Brasília, é esperado um quórum de 420 deputados para a realização da votação, número muito maior dos necessários 257 para o pleito.

A votação em plenário vai ocorrer 336 dias após o início da tramitação do processo no Conselho de Ética, o mais longo que já tramitou na Casa. Eduardo Cunha é acusado de mentir à CPI da Petrobras sobre a existência de contas secretas no exterior. Ele nega e afirma ter apenas o usufruto de fundos geridos por trustes (entidades jurídicas que administram bens e recursos).

Deputados do PSOL e da Rede utilizaram as falas do parlamentar para ingressar com uma ação contra o peemedebista, que também é acusado de usar o cargo na presidência da Câmara para interferir nas investigações contra ele na Operação Lava Jato, o que levou à suspensão do seu mandato pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Notícias relacionadas

[CCJ da CMS aprova relatório do Estatuto da Igualdade Racial]
Política

CCJ da CMS aprova relatório do Estatuto da Igualdade Racial

Por Alexandre Galvão no dia 22 de Maio de 2019 ⋅ 14:37 em Política

Apesar da aprovação, parte dos vereadores não ficou contente. "Eu não sei como a CCJ deixou passar tanta irregularidade", protestou a vereadora Cátia Rodrigues